Tudo Pode dar Certo

As 50 melhores comédias do cinema nos últimos dez anos

Por muito tempo, comédias têm sido associadas apenas a filmes que fazem rir. Ou que fazem rir em excesso a partir de gestos físicos e piadas fáceis. Há também a ideia de que a comédia não pertence ao plano real: vale rir de tudo, claro, pois tudo é assumidamente falso. Tais ideias, em certa medida, ligam-se à forma americana de fazer comédia, que legou o pastelão, a screwball, a comédia física que não se faz mais.

Mas a comédia vai além: a constatação do absurdo, até o espectador corar, também é fazer comédia. Absurdo que tem inegável dívida com a realidade, e que pode ser tão cruel, tão estranhamente atual, que o espectador não tem gargalhadas, mas o leve sorriso de canto de boca. A constatação do sarcasmo. E talvez deixe o cinema até um pouco triste, em alguns casos com a certeza de ter assistido a um gênero nobre. (Observação: a lista abaixo é puramente pessoal.)

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

50) Frank, de Lenny Abrahamson

Frank2

49) Trapaça, de David O. Russell

trapaça

48) O que Resta do Tempo, de Elia Suleiman

o-que-resta-do-tempo

47) Meia-Noite em Paris, de Woody Allen

meia-noite-em-paris

46) O Palácio Francês, de Bertrand Tavernier

o palácio frances

45) Além do Arco-Íris, de Agnès Jaoui

alem-do-arco-iris

44) Casamento Silencioso, de Horatiu Malaele

casamento-silencioso

43) Soul Kitchen, de Fatih Akin

soul-kitchen

42) Minhas Tardes com Margueritte, de Jean Becker

minhas-tardes-com-marguerite

41) Contos da Era Dourada, de vários diretores

contos-da-era-dourada

40) Tangerina, de Sean Baker

tangerina

39) Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha, de Helena Ignez e Ícaro C. Martins

luz-nas-trevas

38) Mistress America, de Noah Baumbach

mistress america

37) Moonrise Kingdom, de Wes Anderson

moonrise-kingdon

36) Tudo Pode dar Certo, de Woody Allen

tudo-pode-dar-certo

35) Eu, Mamãe e os Meninos, de Guillaume Gallienne

eu, mamãe e os meninos

34) Vocês, os Vivos, de Roy Andersson

vocês os vivos

33) Nebraska, de Alexander Payne

nebraska

32) Rainha & País, de John Boorman

rainha e pais2

31) Dois Caras Legais, de Shane Black

dois caras legais

30) Um Conto Chinês, de Sebastián Borensztein

um-conto-chines

29) Marguerite, de Xavier Giannoli

marguerite2

28) Na Mira do Chefe, de Martin McDonagh

na-mira-do-chefe

27) Café Society, de Woody Allen

Café Society

26) Queime Depois de Ler, de Ethan Coen e Joel Coen

queime-depois-de-ler

25) O Lagosta, de Yorgos Lanthimos

o-lagosta

24) O Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson

o-grande-hotel-budapeste

23) Ela, de Spike Jonze

ela

22) Um Amor a Cada Esquina, de Peter Bogdanovich

um amor a cada esquina

21) Vício Inerente, de Paul Thomas Anderson

vício inerente2

20) O Novíssimo Testamento, de Jaco Van Dormael

novissimo-testamento

19) A Grande Aposta, de Adam McKay

a-grande-aposta

18) O Porto, de Aki Kaurismäki

o porto

17) Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), de Alejandro González Iñárritu

birdman 3

16) Em Outro País, de Hong Sang-soo

em-outro-pais

15) Frances Ha, de Noah Baumbach

frances ha2

14) Blue Jasmine, de Woody Allen

blue jasmine

13) Amor & Amizade, de Whit Stillman

amor-e-amizade

12) Relatos Selvagens, de Damián Szifrón

relatos selvagens

11) Ervas Daninhas, de Alain Resnais

ervas-daninhas1

10) O Artista, de Michel Hazanavicius

o artista

9) Força Maior, de Ruben Östlund

força maior2

8) Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência, de Roy Andersson

um pombo pousou num galho

7) Toni Erdmann, de Maren Ade

toni-erdmann1

6) Chatô, O Rei do Brasil, de Guilherme Fontes

chatô o rei do brasil

5) O Pequeno Quinquin, de Bruno Dumont

o pequeno quinquin

4) O Homem ao Lado, de Mariano Cohn e Gastón Duprat

o-homem-ao-lado

3) Sieranevada, de Cristi Puiu

sieranevada

2) O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese

o lobo de wall street

1) Habemus Papam, de Nanni Moretti

habemus-papam

Veja também:
Oito crianças que brilharam no cinema de 2016

Anúncios

As mulheres de Woody Allen

A exemplo de Bergman e Fellini, Woody Allen sempre criou grandes personagens femininas. Mais ainda: ora ou outra as colocou no centro de suas histórias, e às vezes os filmes levavam seus nomes – como Annie Hall e Blue Jasmine.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Todas deixaram expressões inesquecíveis – seja de dor, como Geraldine Page em Interiores, seja de desejo, como a bela Scarlett Johansson em Ponto Final. Essas damas atrapalham a vida de seus homens, ou simplesmente os deixam confusos. Uma delas chega a retirá-lo da tela do cinema para viver sua história de amor.

Abaixo, a lista não contempla todas as damas que passaram pelas obras de Allen. Trata-se apenas de um apanhado de beleza e talento – e, às vezes, dos dois.

Diane Keaton, em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa

noivo neurótico, noiva nervosa

Geraldine Page, em Interiores

interiores

Mariel Hemingway, em Manhattan

manhattan

Charlotte Rampling, em Memórias

memórias1

Mia Farrow, em A Rosa Púrpura do Cairo

a rosa púrpura do cairo

Barbara Hershey, em Hannah e Suas Irmãs

hannah e suas irmãs

Gena Rowlands, em A Outra

a outra

Anjelica Huston, em Crimes e Pecados

crimes e pecados

Dianne Wiest, em Tiros na Broadway

tiros na broadway

Mira Sorvino, em Poderosa Afrodite

poderosa afrodite

Samantha Morton, em Poucas e Boas

poucas e boas

Scarlett Johansson, em Ponto Final

ponto3

Penélope Cruz, em Vicky Cristina Barcelona

vicky cristina barcelona

Evan Rachel Wood, em Tudo Pode Dar Certo

tudo pode sar certo

Marion Cotillard, em Meia-Noite em Paris

meia-noite em paris

Cate Blanchett, em Blue Jasmine

blue jasmine

Emma Stone, em Magia ao Luar

magia ao luar

Veja também:
Dez ganhadores do Oscar protagonizados por mulheres