O Artista

Dez filmes recentes sobre o cinema

Da Hollywood clássica ao atual regime das câmeras digitais e estrelas sem muito brilho, a lista abaixo contempla também a variedade do cinema (o verdadeiro) feito atualmente: produções de cineastas variados, de Monte Hellman a Martin Scorsese, de Ari Folman a David Cronenberg. Algumas obras surpreendem, outras nem tanto.

Caminho para o Nada, de Monte Hellman

Longe da aparência dos longas que lhe deram sucesso, Hellman explora a realização de um filme e o mistério de sua protagonista, que talvez seja a personagem que interpreta.

caminho para o nada1

O Artista, de Michel Hazanavicius

Essa bela homenagem ao período clássico do cinema americano chega pelas mãos de um francês, com atores franceses, a partir do declínio de um astro com o surgimento do som.

o artista

A Invenção de Hugo Cabret, de Martin Scorsese

Faz-se o caminho inverso ao anterior: é um americano que vai à França para contar o período em que o grande Georges Méliès, pai do ilusionismo na tela, era dado como esquecido.

The Invention Of Hugo Cabret

Sete Dias com Marilyn, de Simon Curtis

A pequena Michelle Williams consegue captar a volúpia de Marilyn Monroe nessa história interessante sobre os poucos dias em que a diva filmou O Príncipe Encantado na Europa.

sete dias marilyn

Hitchcock, de Sacha Gervasi

Não é o Hitchcock que os fãs esperavam, provavelmente irreal: o famoso diretor é reduzido a menino mimado nesse longa que aborda os bastidores de Psicose.

hitchcock

The Canyons, de Paul Schrader

Consagrado diretor e roteirista, Schrader expõe as atuais regras do jogo em Hollywood ao abordar o rumo da estrela decadente que se junta a um ator pornô para realizar um filme.

The Canyons

O Congresso Futurista, de Ari Folman

Trata-se do futuro do cinema: os estúdios de Hollywood passam a captar o interior e o exterior dos atores, tê-los digitalmente, cópias seguras que dispensam particularidades humanas.

o congresso futurista

Mapas para as Estrelas, de David Cronenberg

Menina retorna para Hollywood para encontrar a família. Seu irmão é uma jovem estrela em ascensão e, no período que passa por ali, torna-se assistente de uma atriz em baixa.

mapas para as estrelas

Mia Madre, de Nanni Moretti

Belo relato pessoal de Moretti sobre uma cineasta cuja mãe encontra-se em estado terminal no momento em que prepara seu novo filme e tem de lidar com um ator temperamental.

mia madre2

Trumbo – Lista Negra, de Jay Roach

O famoso roteirista é colocado na lista negra do período macarthista, perde o emprego, vai preso, ao mesmo tempo em que revela uma indústria do cinema covarde e conservadora.

trumbo1

Veja também:
Mia Madre, de Nanni Moretti
Trumbo – Lista Negra, de Jay Roach
Mapas para as Estrelas, de David Cronenberg

Anúncios

Bastidores: ganhadores do Oscar nos últimos dez anos

O Oscar 2015 chegou ao fim. Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) venceu o prêmio principal. Nos últimos dez anos, outros filmes interessantes também ganharam a cobiçada estatueta dourada. Abaixo, algumas imagens revelam os homens por trás da magia.

Crash: No Limite, de Paul Haggis

crash1

Os Infiltrados, de Martin Scorsese

os infiltrados

Onde os Fracos Não Têm Vez, de Ethan e Joel Coen

onde os fracos não tem vez

Quem Quer Ser um Milionário?, de Danny Boyle

quem quer ser um milionário

Guerra ao Terror, de Kathryn Bigelow

guerra ao terror

O Discurso do Rei, de Tom Hooper

o discurso do rei

O Artista, de Michel Hazanavicius

o artista

Argo, de Ben Affleck

argo

12 Anos de Escravidão, de Steve McQueen

12 anos de escravidão

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), de Alejandro González Iñárritu

birdman

Entrevista: José Rubens Demoro Almeida

Em seus encontros com estudantes e interessados por cinema em geral, o professor de direito José Rubens Demoro Almeida carrega alguns livros fundamentais para se compreender a sétima arte. Ou apenas para ter uma ideia de sua grandiosidade. Mas, ao lado dele, folhear os livros deixe de ser necessário. Basta ouvi-lo. Rubens relata, nessas sessões, os significados, os gestos ocultos, os signos e as representações que tanto inquietam à luz do projetor.

Em uma sessão no Cineclube Consciência, em Jundiaí, Rubens falou aos presentes após o grande musical Cabaret, de Bob Fosse, e não deixou de apresentar seus pontos de vista sobre as relações entre os palcos e o nazismo. Tentava mergulhar cada vez mais, revelar cada vez mais: passava por pensadores para falar das questões do controle, do totalitarismo e do mal como “gesto banal”. Está tudo em Cabaret, abaixo de sua música, abaixo do inesquecível sorriso de Liza Minnelli.

Quem viu tudo isso durante o filme de Fosse? Não se sabe. Mas, com a carga de conhecimento e referências de Rubens, as coisas ficaram um pouco mais claras aos participantes da sessão.

Desde agosto de 2009, Rubens coordena o Grupo Imago para estudos e pesquisas sobre Cinema e Direito com professores e alunos do Unifai (Centro Universitário Assunção), na Vila Mariana, em São Paulo. A turma reúne-se mensalmente para apresentar um filme escolhido e estudado previamente. Após a sessão, em gesto cineclubista, ocorre um debate no qual os participantes têm a oportunidade de expor ideias e pontos de vista. Ou, simplesmente, dizer se gostou do filme ou não.

Formado pela PUC-SP, em 1977, atualmente Rubens dá aulas de direito na Unifai. Como todo amante do cinema dedicado a compartilhar conhecimento, também passa por outras instituições, grupos e cinemas de rua – principalmente os de rua. Na entrevista abaixo, ele fala do trabalho com o Grupo Imago, da presença do cinema em instituições de ensino e de suas paixões pessoais.

O cinema deveria ser matéria de escola?

Em princípio, considero que as artes em geral deveriam ter um espaço próprio na educação e formação do aluno. No ensino fundamental, deveria haver um incentivo às crianças para o conhecimento e desenvolvimento artístico, o mesmo acontecendo em níveis deferentes de abordagens, nos ciclos posteriores. Quanto ao cinema em particular, entendo necessária uma adequação e uma nova visão de sua concepção e história. É de conhecimento geral o quanto as gerações recentes de alunos são ligadas às imagens nos mais diversos meios de comunicação. As tecnologias de transmissão de imagens tem se transformado assustadoramente e numa velocidade inusitada. Esta superexposição às imagens compromete um pouco a relação do jovem com o cinema, num sentido mais tradicional (uma sala escura, numa tela grande, na companhia de outras pessoas, em geral desconhecidos) porque não há – ou não tem ocorrido – uma educação do espectador do cinema, que o tem mais como simples diversão, sem compromisso. Como disciplina regular a ser ministrada em escolas, o cinema poderia acompanhar outras matérias que visem a formação integral do cidadão. O cinema pode e deve estar presente na escola, em todos os níveis educacionais, como importante e eficiente instrumento do ensino e da educação, formador e provocador de reflexões e visões críticas do mundo.

Como surgiu a oportunidade de coordenar um grupo de estudos e pesquisas focado em cinema? O que faz o grupo?

Sempre fui muito ligado ao cinema e em todas as minhas atividades, acadêmicas ou não, gostava de estabelecer relações com filmes que me vinham à lembrança, a partir de alguma ideia ou tema. Quando aluno de pós-graduação da professora Maria Garcia na PUC-SP, apresentei um trabalho com a exibição de alguns trechos de filmes e comentários sobre o contexto de produção, realização e sua importância na história e linguagem do cinema. E o trabalho nem era de comunicação ou de cinema em particular, mas de Direito. Posteriormente, procurei desenvolver mais este pequeno trabalho para dar-lhe um contorno mais acadêmico, de tal modo que pudesse ser integrado às linhas de pesquisas do Curso de Direito. Em 2009, apresentei o projeto de grupo de estudos de cinema e direito no Centro Universitário Assunção, a Unifai, onde hoje sou professor. A professora Lúcia Helena Polleti Bettini, coordenadora do Curso de Direito, não só o aprovou como o apoiou. Em agosto de 2009, iniciaram-se as reuniões do Grupo Imago de estudos e pesquisas em cinema, direito e educação, que permanece até hoje e reúne professores e alunos interessados principalmente em cinema.

Em seus encontros com alunos, com pessoas que possuem uma visão de cinema ligada apenas aos blockbusters e ao produto que está nas salas de shoppings, qual é a reação deles quando são confrontados com os filmes que você apresenta?

Posso comparar as reações de alguns alunos, e mesmo de alguns professores, às dos espectadores da sessão dos irmãos Lumière em 1895, que se surpreenderam com as imagens em movimento da chegada do trem à estação: espanto e curiosidade. O filme comentado, contextualizado, analisado, debatido é outro filme numa outra dimensão de compreensão do cinema: deixar de apenas “ver” filmes (sejam eles blockbusters ou não) para aprender a “ler” o cinema.

Lembra-se de alguma reação inesperada em um aluno nesse grupo ou mesmo em algumas andanças por outros cineclubes e sessões?

Tive boas experiências relatadas. Uma em especial – e da qual guardo como uma boa lembrança de uma reação inesperada – foi a de um aluno, pai de família, que participou de uma reunião onde foi exibido e debatido o filme CinemaParadiso, de Giuseppe Tornatore. É um filme a que recorro para salientar, no início dos trabalhos dos grupos, a paixão pelo cinema e como esta paixão transforma vidas e pessoas. Ao final da reunião, o aluno foi a uma locadora, alugou o filme e, à noite, “convocou” toda a família, mulher e filhos, para assistirem juntos. Pessoas que nunca – ou raramente – se juntavam num sábado à noite, cada um cuidando de seus interesses ou cumprindo outros compromissos, passaram duas horas assistindo a um filme que os emocionou muito, como relatou o aluno posteriormente, para as quais fez questão de lembrar os comentários e as observações do grupo.

Tive a oportunidade de participar algumas vezes de debates com você, em sessões de filmes variados, com públicos variados. Nelas, me chamou a atenção alguns pensadores que você trouxe à roda de discussão, como o Foucault. Considera importante mesclar o cinema à filosofia e a outras áreas do pensamento?

Considero essencial esta relação do cinema com outras áreas do conhecimento, em especial com a filosofia. O cinema provoca, instiga reflexões, olhares inusitados, questiona vidas e mostra uma porção particular da dimensão da existência humana. Esta apreensão da realidade, pela interpretação artística, demanda uma visão apurada. Afinal, durante duas horas entregamos nossos cérebros aos realizadores do filme, e isto não é pouca coisa. Estudo muito autores que abordam o cinema e os filmes com os olhares da filosofia, da história, do direito, da psicologia, da sociologia, além dos próprios teóricos do cinema (Bazin, Truffaut, Eisenstein, Ismail Xavier, Jean-Claude Bernardet, entre outros) ou críticos (J. B. Duarte, Inácio Araújo, Luiz Carlos Merten). Autores, como Michel Foucault, Theodor Adorno, sempre reservaram espaço em suas obras para reflexões filosóficas sobre o cinema, tanto como indústria de massa, tanto como produção artística. Slavoj Zizek tem ótimos ensaios e artigos sobre o cinema, um em especial sobre Hitchcock. Juan Antonio Rivera, professor espanhol de filosofia, usa o cinema em suas aulas e escreve muito sobre esta experiência ímpar de reflexão filosófica. Entre nós, Júlio Cabrera, argentino professor da Universidade de Brasília, estabelece em suas obras relações sobre cinema e filosofia, sem esquecer Edgar Morin, sociólogo e filósofo contemporâneo, que também dedica parte de sua produção às questões cinematográficas. Há uma vasta produção literária e filosófica sobre cinema, tanto no Brasil como no exterior. Explorar estas concepções e relações aumenta muito o prazer de assistir aos filmes.

Qual a visão, em geral, que o jovem universitário tem, hoje, do cinema? Dá para generalizar?

Não tenho tantos contatos assim com um número grande de universitários para poder generalizar uma concepção de visão deles sobre o cinema. A generalização seria perigosa pois seria parcial, de apenas alguns alunos de cursos superiores. Aqueles com quem mantenho conversas e mesmo aqueles que participam das reuniões dos grupos têm manifestado uma curiosidade e uma vontade de conhecer mais, instigados pelos filmes e debates que se seguem. Conheço também muitos alunos, jovens ainda, que são “cinéfilos” de carteirinha, com muita informação e referências de cinema, de causar inveja.

Nas investidas com este público, pensando na introdução do cinema, qual são os cineastas e filmes que você tem trazido às discussões?

Na introdução ao cinema a um público novo, gosto de fazer um apanhado geral da história e da evolução da linguagem cinematográfica, simples e didática: a partir dos Irmãos Lumière, de Mélliès, Eisenstein, Griffith. O primeiro sucesso popular de filme com trilha sonora sincronizada de OCantordeJazz, a exploração da cor em technicolor de …EoVentoLevou, ou de OMágicodeOz, passando pelos filmes referências do expressionismo alemão (O Gabinete do Dr. Calligari ou Nosferatu), do surrealismo (UmCãoAndaluz), o neorrealismo italiano (Roma,CidadeAberta, LadrõesdeBicicleta), a época de ouro do cinema norte-americano (Casablanca), a nouvelle vague francesa (Acossado, Osincompreendidos), o cinema dos anos 1970 (Sem Destino, A Primeira Noitedeum Homem, PerdidosnaNoite). Enfim, destaco apenas alguns filmes mais conhecidos, mas que auxiliam a despertar a necessidade de um conhecimento mais aprofundado, que poderá vir a seguir.

Existe alguma obra que você considera chave a essa introdução?

Não posso escolher um filme “chave” para esta introdução. Considero importante destacar a construção de uma linguagem própria cinematográfica a partir de A ChegadadoTrem à Estação (Lumière), passando por ViagemàLua (Mélliès), seguindo com Intolerância (Griffith) até EncouraçadoPotemkin (Eisenstein).

Já foi confrontado por algum aluno, ou mesmo alguém do público nestes encontros?

Não me recordo de ter sido “confrontado”. Não sei em que sentido a expressão foi empregada. Se já me deparei com atitudes, ou manifestações críticas, claro, fazem parte do debate, da discussão. O cinema proporciona inúmeras interpretações. Em geral, considero que o entusiasmo que manifesto nas sessões, o prazer de compartilhar ideias, reflexões, visões, a partir de filmes, fazem com que as participações sejam amistosas, animadas, alegres. Por conta disto, procuro me preparar bem para conduzir cada encontro: revejo o filme a ser exibido, estudo sua ficha técnica, confronto elenco, diretores, produtores, leio críticas e comentários sobre a obra, faço referências ao contexto histórico de seu tema ou de sua produção, para dominar o maior número de informações possíveis e fundamentar as discussões e os debates, para que todos, ou pelo menos boa parte dos presentes, ao final vejam “outro filme depois do filme”.

No campo de sua vida pessoal, como surgiu a paixão pelo cinema? Você assistia filmes durante sua graduação, em faculdades, quando era jovem?

Minhas lembranças de cinema são de infância e as devo muito a meus pais. Meu pai trabalhava como gerente de cinema. Minha mãe sempre gostou de cinema e comentava muitos sobre vários filmes. Sempre morei em bairro de São Paulo, numa época em que os cinemas de rua ainda existiam e eram uma das poucas diversões populares. Passava boa parte de meus dias no cinema, vendo e revendo filmes de todos os tipos e origens: brasileiros, espanhóis, franceses, mexicanos, italianos, japoneses e, claro, americanos. Era um pouco como o menino Totó de CinemaParadiso. Colecionava fotogramas, assistia ao filme da cabine de projeção e, como Truffaut (de A NoiteAmericana), colecionava cartazes e fotos de filmes. Depois, quando já cursava direito na PUC-SP, não perdia a oportunidade assistir aos filmes mais importantes, nos cinemas ou mesmo as exibições especiais promovidas pelos grêmios estudantis.

O que alguém como você, um adorador de Alfred Hitchcock, pensa do cinema americano atual?

Gosto muito do cinema americano, cresci com ele nas décadas de 1950 e 1960. Hitchcock tem muita importância para mim, sua filmografia, sua história, sua aguda e sarcástica apreciação da alma humana, dos dilemas e angústias humanas, que são universais. Que o diga Kurosawa, não é? Mas não é o único. Gosto muito de outras obras de outros diretores, de outras origens inclusive. O cinema norte-americano sempre viveu o dilema da pressão da indústria, do espetáculo, do mercado, em confronto com a qualidade dos filmes. Mesmo na época de grande produção americana dos anos 1940, não se pode negar que Hollywood produziu obras memoráveis e de notável qualidade artística, embora os grandes estúdios priorizassem sempre os lucros da produção. Hoje temos uma proliferação de filmes com grande apelo popular – ou, diria melhor, adolescente – porque este é o mercado a ser atingido e que dá retorno. Nem sempre estes “blockbusters”, que inundam a maioria das salas de cinema dos grandes centros de consumo, ficam marcados por sua qualidade e contribuição artística cinematográfica. É uma pena, porque acabam ocupando os cinemas e diminuem o espaço para outras obras, americanas ou não. Há bons filmes que acabam não sendo exibidos, e, quando são, ou ficam muito pouco tempo em cartaz, em apenas uma sala, num horário “alternativo”, ou vão direto para as locadoras em formato DVD, quando vão. Quantos filmes exibidos nas sessões da Mostra de São Paulo, por exemplo, seguem em carreira comercial? Alguns poucos. Outros tantos (ANostalgiadaLuz é um exemplo) são relegados ao acesso apenas na internet, porque nem em DVD são lançados. Este é um efeito perverso de filmes financiados por poderosos grupos econômicos, destinados ao consumo rápido e juvenil.

Entre aulas, debates e muito trabalho, resta tempo para ver tantos filmes recentes no cinema? O que assistiu de bom nos últimos meses nas grandes salas?

Resta tempo, sim, para ir ao cinema. Ir ao cinema faz um bem imenso. É uma experiência única. Mas tenho que selecionar bem o filme e a sala, porque o tempo é pouco. Escolho os filmes pela importância de sua produção, pelo tema abordado, pelo diretor e atores. Escolho o cinema pela qualidade de sua projeção e som. E, se possível, porque nem sempre é, sessões mais vazias. Assisti e gostei de Hugo, de Martin Scorsese, por razões óbvias. E de O Artista também. Gostei demais de A Separação, de Asghar Farhadi. Vi AÁrvoredaVida e Melancolia. Adorei UmConto Chinês. Gostei muito de OPalhaço.

O cinéfilo tende a ser um ser solitário ou o contrário, um ser com facilidade de se socializar devido ao convívio com outros, em uma sala escura?

Não me considero cinéfilo, mas um amante de cinema e de tudo o que lhe diga respeito. Sou um “cinemeiro”. Gosto de estudar, de ler, de escrever e preparar aulas sobre filmes, sobre autores, sobre o cinema. Eu gosto do cinema. E compartilho este prazer com muita gente (amigos, alunos, professores). Não há solidão no cinema. Você sempre está em boa companhia: Humphrey Bogart, Penélope Cruz, Ingrid Bergman, Grace Kelly, Woody Allen, Charles Chaplin. Quem poderia querer mais?

Existe algum risco de a internet acabar com o ritual coletivo de ir ao cinema?

O cinema, ao longo de sua história, foi sempre confrontado por outras tecnologias. Quando silencioso, sofria a concorrência do rádio. Depois, com a televisão, teve que aumentar as dimensões da tela e produzir em cores e com som estereofônico. Depois com a técnica em 3D. A internet, não se pode negar, é a “senhora” de nossos tempos. Mas não tem a magia do “escurinho do cinema”. E não impedirá o que você chama de “ritual coletivo de ir ao cinema”, se contarmos com os trabalhos de todos os amantes, cinéfilos e educadores apaixonados pela sétima arte.

Rafael Amaral (09/05/2012)

Entrevista: Luiz Zanin Oricchio

O crítico Luiz Zanin Oricchio estudou psicologia e filosofia na USP, fez pós-graduação em psicanálise, clinicou, estudou fora do país e descobriu no cinema seu exercício diário. Como explica ele, são de dez a 15 filmes por semana. E tudo começou quando escrevia um livro de ficção. Mergulhou em Bertolucci e seu O Conformista. Sem querer, viu-se fazendo crítica de cinema.

É o que ele conta, entre uma pergunta e outra, na entrevista. Fala sobre a reação de um leitor a uma análise de Não Matarás, sua opinião sobre o investimento estatal e faz declarações esclarecedoras. “O cinema de mercado não deve ser culpabilizado. Ele não esconde o que quer: grana.” Zanin foi editor do Suplemento Cultura do Estadão por nove anos. Atualmente é repórter especial, colunista e crítico de cinema do jornal. É também presidente da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema).

Em uma análise recente de O Artista, você termina seu texto questionando. Diz “e daí?”, o que dá a impressão de que filmes como este parecem mera diversão ou nostalgia. Você se deixa levar pelo coração quando analisa um filme?

Com o “e daí” quis dizer que o filme, apesar de muito legal, não deixava mais nenhum lastro em meu imaginário. Não tinha maiores consequências. O coração está sempre presente, enquanto bater. Mas não pretendo jamais fazer crítica unicamente “com a emoção”, isto é, descerebrada. Estilo meu, o que fazer?

O trabalho do crítico inclui, além de informação, a opinião. Você recebe muitas críticas por causa das coisas que escreve? Lembra-se de algum caso que lhe chamou a atenção, de algum filme que criticou ou mesmo elogiou e que não foi bem recebido pelos leitores?

Lembro de dezenas de casos assim. Num deles, escrevi um texto longo, falando de Não Matarás, do Kieslowski, e classificando-o como obra-prima. Alguns dias depois recebi uma carta (era tempo da carta, não havia e-mail) de um juiz de direito dizendo que eu lhe havia proporcionado uma das piores noites da vida dele. Respondi dizendo que sentia muito, etc, mas o grande cinema era assim. Podia desagradar. Mesmo porque (isso eu não disse) o filme questionava a própria profissão do meu leitor.

Quando começou a trabalhar no Estadão, acha que já tinha um conhecimento de cinema suficiente para tal cargo? Você se cobra muito?

Já tinha uma informação relativamente boa, e com o tempo a gente vai melhorando um pouco. Mas sempre acho muito insuficiente. Não sei se algum dia vou me satisfazer com meu trabalho. Mas se esse dia chegar, será a hora de parar.

Quantos filmes assiste por semana? Resta tempo para ficar com a família?

Os filhos, enteados no caso, estão crescidos. Minha mulher (Maria do Rosário Caetano) é jornalista e crítica de cinema também, o que resolve bastante as coisas. Fazemos muita coisa juntos, inclusive viagens de trabalho. Acho que, entre filmes no cinema e DVD, dá entre dez e 15 por semana. Em época de festival é muito mais. Chega a quatro ou cinco por dia. Mas não gosto dessas maratonas. Faço porque sou obrigado.

As grandes capitais do país representam, de certo modo, muita diferença em relação a outras cidades (muitas delas sem um único cinema e espaços para exibição). Acha que investimento estatal em salas de espetáculos em geral é uma saída para preencher esse vazio?

Acho que o Estado deveria investir em salas populares. É a única saída para o déficit que ainda temos em termos de cinema. O nosso circuito não chega a 2,7 mil salas. É muito pouco.

Com tanto enlatado chegando aos cinemas semanalmente, ainda é possível acreditar no cinema americano de estúdios?

Chega muito enlatado e chega também cinema de estúdio. Na verdade, eles dominam a máquina, em nível mundial.

Não acha que falta um pouco de ousadia aos cineastas da atualidade em relação aos temas abordados ou mesmo às formas utilizadas? Nos últimos anos vimos, tenho a impressão, poucas propostas e novos olhares para causar alguma mudança (lembro-me do movimento Dogma, do cinema iraniano, mas isso ainda nos anos 1990). Essa carência tem explicação?

Sempre há alguma ousadia, se você olhar e pesquisar bem. Mas são casos isolados. O cinema, de maneira geral, está muito conformista, muito voltado ao mercado. O público, também de maneira geral, anda muito acomodado, sem vontade de experimentar novas abordagens, novas linguagens, etc. Não é um problema só do cinema. É a nossa época.

Em uma análise recente de números da Ancine, você fez alguns apontamentos sobre obras brasileiras que fizeram grande bilheteria. Em geral, comédias sem muito cérebro. A televisão e a dita “estética da Rede Globo” têm culpa nessa procura do público?

O cinema de mercado não deve ser culpabilizado. Ele não esconde o que quer: grana. O problema, acho, é financiar esse tipo de cinema com recurso público. Acho um contra-senso.

Você escreve muito também sobre futebol. Por que acha que é tão difícil fazer um bom filme sobre futebol?

Se você quiser encenar um jogo, vai parecer falso. O jeito é ir atrás da história humana que existe por trás do jogo. Isso, o Ugo Giorgetti percebeu e realizou muito bem em seus dois Boleiros. Mas o futebol, como recurso narrativo, aparece em vários outros filmes, como Linha de Passe, por exemplo. Não é sobre futebol, mas o futebol está dentro. Acho que, pelo que representa em termos do nosso imaginário social, o futebol é ainda um filão a ser mais (e melhor) explorado. Mas há o mito de que filme de futebol não dá bilheteria…

Como aquele gol que o torcedor não esquece, existe a cena que o cinéfilo sempre resgata em mente. Qual é a sua?

Várias. Para ficar com uma, a corrida de Geraldo Del Rey em direção à praia no final de Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha, ao som da música de Sérgio Ricardo.

Se tivesse que de citar um filme que fez a “lâmpada” acender em sua cabeça, para que se tornasse crítico, qual citaria? Alguma história por trás dessa relação com a obra?

Antes de me tornar jornalista nunca pensei (nem a sério e nem de leve) em ser crítico de cinema. Era só cinéfilo e isso me bastava. Mas eu estava escrevendo um livro de ficção e percebi que um dos personagens tinha uma relação profunda com um filme que eu havia visto, na época fazia pouco tempo, e me deixara impressionado. Era O Conformista, de Bernardo Bertolucci, baseado no romance de Alberto Moravia. Sem querer, fazendo ficção, eu havia escrito uma crítica. Pode ser que a coisa tenha nascido aí.

Leia aqui uma das críticas que Zanin escreveu sobre O Conformista.

Rafael Amaral (29/02/2012)