Cães de Aluguel

Cães de Aluguel, de Quentin Tarantino

O próprio Quentin Tarantino, com o papel que lhe cabe, o de um bandido entre outros em uma mesa de lanchonete, explica a metáfora da canção “Like a Virgin”, da cantora Madonna. Toma para si, nas primeiras linhas de seu primeiro longa-metragem, a explicação sobre uma peça da cultura pop – como se ali houvesse algo a mais.

Amantes da “alta cultura” talvez não vejam nada de profundo em “Like a Virgin” ou em Cães de Aluguel, levados a subestimar o que é ligado ao pós-modernismo e a uma máquina industrial da qual, é verdade, sobram motivos para desconfiar.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

O que faz Tarantino, na pele do passageiro senhor Brown, é reivindicar – em um formato cômico que permeia o diálogo dos criminosos – certa profundidade. E volta seu olhar ao produto que pode apenas rechear os sentidos com certo tom erótico, no caso da canção; ou, para ir além, no caso do filme, o produto que não se reduz à violência.

Talvez não. Cães de Aluguel, um pequeno filme esperto ancorado nos diálogos, em um roteiro que funciona à base de idas e vindas no tempo, desafio o espectador a ver mais do que um filme de assalto com trapaceiros e piadas a reboque.

É sobre um universo impessoal no qual todos são chamados por apelidos, cada um com uma cor. Um deles, o senhor Pink (Steve Buscemi), mais de uma vez pedirá que sejam profissionais, que não se matem em nome de algum rastro de camaradagem. Como se vê, o texto de Tarantino não escapará a essa tendência clássica, quase como um faroeste: os homens ainda estão à frente do dinheiro, ainda sob um velho código de conduta.

Cães de Aluguel, entre tiros e diálogos ágeis, leva a um círculo de bandidos do qual ainda sai algum gesto inesperado, terno, até mesmo à beira do amor: o momento em que um dos criminosos aproxima-se de outro para segurá-lo em seus braços e lhe fornecer algum consolo antes da morte, enquanto ambos se veem encharcados de sangue.

A aproximação surge estranha. Em um filme no qual os homens tratam-se por apelidos, por cores, o gesto é quase deslocado. Por ali, algumas figuras servem apenas para destruir, para dar vez aos desejos relacionados à violência e ao sangue: sacar o torturador que chega ao local tomando refrigerante, com um policial preso no porta-malas, é um golpe equivalente à aparição, em Pulp Fiction, de um louco mascarado.

Tarantino não tem qualquer problema em abrir portas e oferecer o horror gratuito, mesclá-lo à trilha sonora de seu universo pop e jogar o sorriso do torturador (Michael Madsen) como contraponto perfeito ao desespero do policial (Kirk Baltz), prestes a ter sua orelha arrancada. Tarantino sabe como representar na tela essas emoções, como saturá-las, antes, pelos diálogos. O horror é o passo seguinte à palavra.

Os bandidos são reunidos para assaltar uma joalheria e, desde os primeiros instantes, com os gritos do senhor Orange (Tim Roth) no branco de trás do carro, coberto de sangue, sabe-se que o assalto não correu bem. Os bandidos voltam a se encontrar em um galpão e desejam descobrir quem é o traidor entre eles.

Típica situação de filme de assalto, como em O Grande Golpe. O assalto, contudo, nunca é mostrado: em seu texto esperto e veloz, Tarantino deixa lacunas. Se por um lado o espectador embarca com facilidade nessa trama movida a uma situação inquietante, por outro nunca é possível se agarrar demais às personagens em questão.

Em certo sentido, e apesar da grandeza das imagens no espaço interno e do inegável domínio da direção, Cães de Aluguel é um filme amador, apressado, que escancara sua forma ao sacar, a cada instante, um momento-chave, uma aparição relâmpago, como se unisse suas peças à força, em um mesmo palco, soando artificial.

Ao recorrer à metáfora, Tarantino eleva a brincadeira nesse filme de estreia. O universo em questão, regado pelos efeitos da pós-modernidade, é o dos bandidos baratos que pouco a pouco deixam ver suas identidades, homens por trás das cores, gente que grita pelo profissionalismo e termina abraçada ao companheiro baleado.

(Reservoir Dogs, Quentin Tarantino, 1992)

Nota: ★★★☆☆

Veja também:
Faster, Pussycat! Kill! Kill!, de Russ Meyer

Anúncios

Bastidores: Cães de Aluguel

(…) Cães de Aluguel, que estreia em Los Angeles na próxima semana, é um dos filmes mais bem dosados, perturbadores e habilmente construídos que saem este ano. É um belo filme de gênero que está permanentemente rindo de si mesmo e da idiotice pueril do gênero: uma brincadeira de assalto sem assalto, um filme de ação que está perdidamente apaixonado pela conversa, um poema para o lado sexy de contar uma história e uma amostra de sabedoria precoce sobre a vida. Tudo isso de um cineasta iniciante cuja instrução consiste em seis anos atrás do balcão de uma locadora de vídeos de Manhattan Beach, um tempinho no Sundance Institute Director’s Workshop e um monte de aulas de interpretação. Quentin Tarantino descreve a si mesmo como um especialista em filmes que nunca botou os pés numa escola de cinema e que nunca quis fazer outra coisa além de dirigir filmes. “Estou tentando enfiar cada filme que já quis fazer neste primeiro”, ele diz animado.

Ella Taylor, crítica de cinema, em texto escrito na ocasião do lançamento de Cães de Aluguel nos Estados Unidos e reproduzido no livro Quentin Tarantino (organização de Paul A. Woods; Editora Leya; pgs. 37 e 38). Do trecho acima, vale destacar a passagem em que Taylor cita o fato de Tarantino ter sido balconista de vídeo-locadora, o que só reforça a mitologia que o próprio diretor manteve – ainda mantém? – por anos, ligada à sua formação cinéfila. Abaixo, Tarantino e o ator Harvey Keitel.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Bastidores: Fogo Contra Fogo

Os 70 melhores longas de estreia da História do Cinema

Tão felizes em suas estreias, alguns cineastas terminariam perseguidos por elas. Outros, tomados pela audácia, pela liberdade criativa, foram além: mudaram as regras da sétima arte, radicalizaram o ainda jovem cinema.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

A lista abaixo traz nomes consagrados, alguns mortos, vários com carreiras sólidas e prêmios às dúzias. O amontoado não deixa de ser uma passada pela História do Cinema e a anunciação de autores e movimentos importantes como nouvelle vague, cinema novo alemão, free cinema inglês, cinema novo brasileiro, nova Hollywood e até o novo cinema africano nascente nos anos 60. Em alguns casos, a confirmação de que determinados cineastas não conseguiram repetir a qualidade de seus primeiros trabalhos.

Na composição da lista, algumas regras foram necessárias: curtas ou médias-metragens não foram considerados, além de trabalhos para a televisão. Além disso, diretores de apenas um longa-metragem não entraram na relação, como Mario Peixoto e Charles Laughton.

70) Primavera para Hitler (Mel Brooks, 1967)

primavera para hitler

69) Cães de Aluguel (Quentin Tarantino, 1992)

cães de aluguel

68) O Relojoeiro (Bertrand Tavernier, 1974)

relojoeiro1

67) Vivendo na Corda Bamba (Paul Schrader, 1978)

vivendo na corda bamba

66) Fuga para Odessa (James Gray, 1994)

fuga para odessa

65) O Jovem Törless (Volker Schlöndorff, 1966)

o jovem torless

64) A Incrível Suzana (Billy Wilder, 1942)

a incrível suzana

63) Você Se Lembra de Dolly Bell? (Emir Kusturica, 1981)

você se lembra de dolly bell

62) Geração (Andrzej Wajda, 1955)

geração

61) Na Mira da Morte (Peter Bogdanovich, 1968)

na mira da morte

60) O Sétimo Continente (Michael Haneke, 1989)

o sétimo continente

59) Ganga Zumba (Carlos Diegues, 1963)

ganga zumba

58) Eu Matei Jesse James (Samuel Fuller, 1949)

eu matei jesse james

57) Gosto de Sangue (Joel e Ethan Coen, 1984)

gosto de sangue

56) O Pranto de um Ídolo (Lindsay Anderson, 1963)

o pranto de um ídolo

55) O Pequeno Apartamento (Marco Ferreri, 1959; codireção de Isidoro M. Ferry)

o pequeno apartamento

54) Rio, 40 Graus (Nelson Pereira dos Santos, 1955)

rio 40 graus

53) O Jogo de Emoções (David Mamet, 1987)

o jogo de emoções

52) Despedida de Ontem (Alexander Kluge, 1966)

despedida de ontem

51) Uma Cidade de Amor e Esperança (Nagisa Oshima, 1959)

uma cidade de amor e esperança1

50) O Último Golpe (Michael Cimino, 1974)

o último golpe

49) Barravento (Glauber Rocha, 1962)

Barravento

48) Sexo, Mentiras e Videotape (Steven Soderbergh, 1989)

sexo mentiras e videotape

47) Amarga Esperança (Nicholas Ray, 1948)

amarga esperança

46) Quando os Jovens se Tornam Adultos (Barry Levinson, 1982)

quando os jovens se tornam adultos

45) Quem Tem Medo de Virginia Woolf? (Mike Nichols, 1966)

quem tem medo de virginia

44) Crimes da Alma (Michelangelo Antonioni, 1950)

crimes da alma

43) Encurralado (Steven Spielberg, 1971)

encurralado

42) Stella (Mihalis Kakogiannis, 1955)

stella

41) A Infância de Ivan (Andrei Tarkovski, 1962)

a infância de ivan

40) Corpos Ardentes (Lawrence Kasdan, 1981)

corpos ardentes

39) A Greve (Sergei Eisenstein, 1925)

a greve

38) Desajuste Social (Pier Paolo Pasolini, 1961)

desajuste social

37) Um Dia em Nova York (Stanley Donen, 1949; codireção de Gene Kelly)

um dia em nova york

36) Um de Nós Morrerá (Arthur Penn, 1958)

um de nós morrerá

35) O Matador de Ovelhas (Charles Burnett, 1978)

o matador de ovelhas

34) Eraserhead (David Lynch, 1977)

eraserhead

33) Carter – O Vingador (Mike Hodges, 1971)

carter o vingador

32) Terra de Ninguém (Terrence Malick, 1973)

terra de ninguém

31) Mad Max (George Miller, 1979)

mad max

30) Mulheres e Luzes (Federico Fellini, 1950; codireção de Alberto Lattuada)

mulheres e luzes

29) Os Cafajestes (Ruy Guerra, 1962)

os cafajestes

28) A Idade do Ouro (Luis Buñuel, 1930)

a idade do ouro

27) A Terça Parte da Noite (Andrzej Zulawski, 1971)

a terça parte da noite

26) Sombras (John Cassavetes, 1959)

sombras

25) Nosso Barco, Nossa Alma (David Lean, 1942; codireção de Noël Coward)

nosso barco nossa alma

24) A Faca na Água (Roman Polanski, 1962)

a faca na água

23) A Noite dos Mortos-Vivos (George A. Romero, 1968)

a noite dos mortos vivos

22) Os Duelistas (Ridley Scott, 1977)

os duelistas

21) Sem Destino (Dennis Hopper, 1969)

sem destino

20) Infância Nua (Maurice Pialat, 1968)

infância nua

19) La Pointe-Courte (Agnès Varda, 1955)

La Pointe-Courte

18) O Bandido da Luz Vermelha (Rogério Sganzerla, 1968)

o bandido da luz vermelha

17) 12 Homens e Uma Sentença (Sidney Lumet, 1957)

12 homens e uma sentença

16) Nas Garras do Vício (Claude Chabrol, 1958)

nas garras do vício

15) Porto das Caixas (Paulo César Saraceni, 1962)

porto das caixas

14) Paris Nos Pertence (Jacques Rivette, 1961)

paris nos pertence

13) Performance (Nicolas Roeg, 1970; codireção de Donald Cammell)

performance

12) A Negra De… (Ousmane Sembene, 1966)

a negra de

11) Acossado (Jean-Luc Godard, 1960)

acossado

10) Sorgo Vermelho (Zhang Yimou, 1987)

sorgo vermelho

9) De Punhos Cerrados (Marco Bellocchio, 1965)

punhos3

8) Os Incompreendidos (François Truffaut, 1959)

os incompreendidos

7) São Paulo, Sociedade Anônima (Luís Sérgio Person, 1965)

são paulo sa

6) A Canção da Estrada (Satyajit Ray, 1955)

a canção da estrada

5) Obsessão (Luchino Visconti, 1943)

obsessão

4) O Atalante (Jean Vigo, 1934)

atalante

3) O Falcão Maltês (John Huston, 1941)

falcão maltês

2) Hiroshima, Meu Amor (Alain Resnais, 1959)

hiroshima meu amor

1) Cidadão Kane (Orson Welles, 1941)

cidadão kane

Veja também:
Dez filmes que mudaram a cara do cinema americano