ator

Beber, filmar e cantar

Dean [Martin] e eu fazíamos muitas piadas sobre beber. Mas, convenhamos: se tivéssemos bebido de fato tanto quanto diziam que nós bebíamos, você acha que conseguiríamos filmar durante o dia e cantar à noite – que era o que fazíamos? Eu não recomendaria que ninguém vivesse a vida assim. É preciso saber o que se pode aguentar.

Frank Sinatra, ator e cantor, em declaração reproduzida em Frank Sinatra – A Arte de Viver, de Bill Zehme (Ediouro; pg. 118). Abaixo, ele (à direita) e o parceiro de filmes e noitadas Dean Martin.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Frank Sinatra, 100 anos

Anúncios

Harry Dean Stanton (1926–2017)

O cineasta alemão Wim Wenders planejava um road movie nos EUA. Um filme escrito por Sam Shepard, sobre um derrotado que parte com o filho em busca da mulher. No imaginário de Wenders, Paris, Texas seria uma variação da Odisseia. O pai ausente. O filho Telêmaco. O filme recebeu a Palma de Ouro em Cannes, fez sucesso de público e crítica em todo o mundo. De repente, aos 58 anos, Harry Dean Stanton virou cult. Iniciou-se outra carreira e, entre outros títulos de prestígio, participou de Twin Peaks e Império dos Sonhos, ambos de David Lynch.

Luiz Carlos Merten, crítico de cinema, no jornal O Estado de S. Paulo (leia o texto aqui). Abaixo, Dean Stanton em Paris, Texas.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Jeanne Moreau (1928–2017)

Entrevista: Júlio Machado

O que primeiro chama a atenção em Júlio Machado é a energia. A forma de falar, de se expressar, o sorriso constante. Nunca é falso. Ao contrário, é perceptível seu interesse em interagir com o público, em mergulhar na história de Tiradentes, ou de seu Joaquim, e mesmo a paciência com cada um dos fãs que querem tirar uma foto com o ator.

Humano demais e, por isso, distante de sua personagem carrancuda (é o primeiro protagonista do ator no cinema), Júlio falou com o Palavras de Cinema após uma sessão de Joaquim e de um bate-papo com o público, em Jundiaí, no projeto Moviecom Arte. O assunto da entrevista, claro, é o filme de Marcelo Gomes, representante brasileiro na mostra principal do Festival de Berlim em 2017, sobre o período de formação da consciência de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Como você define Joaquim, o filme?

Joaquim é uma crônica do cotidiano do período colonial. A preocupação do filme foi sempre a de traçar um perfil, com as características daquela sociedade. Então a pesquisa e um estudo sobre o que compunha o modo de vida daquelas pessoas foram fundamentais para isso. Por outro lado, [é sobre] a tomada de consciência política daquele homem, daquele anti-herói, e não daquela figura engessada dos livros de história, que é o Tiradentes, mas o homem pré-Tiradentes. São essas duas estruturas que definem o filme.

Quer dizer, desde o início a ideia era mais o humano que o mito.

Exato. [A ideia] era fugir do mito histórico, de tudo o que já se falou sobre ele, de tudo o que já foi representado em dezenas de filmes, inclusive brasileiros, sobre ele. A ideia do Marcelo [Marcelo Gomes, o diretor] era se voltar ao homem.

Como o Marcelo Gomes chegou até você?

Através da Maria Clara Escobar, que faz a produção de elenco do filme e que é uma cineasta também, supertalentosa, mas que neste projeto, com o Marcelo, ficou com a produção de elenco. E ela chegou até o meu nome. E certa vez me mandou um e-mail, perguntando se eu tinha interesse de me colocar à disposição do Marcelo Gomes para fazer um teste para o filme. Eu falei: “Uau! Claro!”. Eu já adorava o cinema do Marcelo e falei que estava totalmente à disposição. Ele chegou até mim através da Maria Clara, e ela nos apresentou. Nós fizemos alguns encontros ao longo de dois meses, até ele se decidir qual elenco ia querer. E foi assim, uma pesquisa da produção.

Você, quando entrou no personagem, pensava estar dentro de Tiradentes ou preferia imaginar que vivia um homem comum? Como era sua consciência em relação a isso?

Agora é o Júlio… em situação emprestada do Joaquim e reagindo. O humano é a gente mesmo. O que eu pudesse emprestar de mais autêntico para o personagem é o que interessava. Então eu não pensava muito no mito Tiradentes. Era um ser humano… E outra coisa que eu acho interessante: nesse trabalho nós evitamos uma abordagem psicológica dos personagens, a compreensão, por exemplo, de um arco dramático dentro dele e dentro da história. A preocupação voltou-se principalmente para uma preparação física, de relação com aquela natureza selvagem. Os aspectos físicos foram determinantes em nossas composições. Não tinha muito racionalismo. A ideia era se colocar ali, naquele cenário. Andar por uma cidade histórica mineira já altera seu corpo, suas sensações, e a gente investiu nesse trabalho: como é o corpo reagindo em uma ladeira de pedras, no garimpo, em um lugar de sol o dia todo. Foi um processo absolutamente orgânico.

E o filme é extremamente sensorial, você sente esse universo.

Essa era outra preocupação. Dentro dessa tentativa interessava tudo que dissesse respeito àquele contexto e principalmente esse tempo que é muito diferente do nosso tempo contemporâneo, até do ponto de vista da dramaturgia. O roteiro de escola hollywoodiana, de grandes estúdios, eles são absolutamente dinâmicos para manter a atenção do espectador, com pontos de virada, e têm uma espécie de receita para manter essa atenção. E aqui a ideia era criar essa atmosfera, essa ambiente.

É até interessante você dizer isso, porque o encerramento de Joaquim, se pensarmos na forma do roteiro americano, é totalmente anticlímax.

Totalmente. E isso está na conta da ousadia e da coragem do Marcelo Gomes. Ele não está fazendo um filme de estúdio no qual tem de responder a determinadas exigências e tem essa característica. Por isso o Marcelo é um artista ímpar: ele faz questão de fazer um cinema com assinatura, é autoral. E em condições que foram possíveis. Não é um estúdio, com um investimento alto, te dando caminhos, mas um artista com o investimento possível querendo assinar sua própria obra. A coragem e a ousadia dele de não responder a anseios pré-concebidos.

E se a gente pensar no sentido histórico, do personagem Tiradentes, ele chega a ser subversivo, não é?

Eu acho que tudo é político na vida. E eu compreendi que estética também é política. Com o filme, a gente não pretende fazer o vômito de um discurso teórico e racional. Através desses estados, desses silêncios, desse tempo dilatado, que teoricamente seria o tempo das Minas no século 18, criamos platôs sensoriais que nos comuniquem. E isso, acho, é absolutamente político e amplia a percepção para as ideias. A pessoa que se submete a uma experiência estética não convencional sai mais aberta não apenas para as próprias experiências sensórias, mas também às ideias que virão.

Como é a forma de trabalhar de Marcelo Gomes?

Absolutamente pautada pela cumplicidade diante da obra. Ele tem o talento de escolher pessoas que estão convictas de que querem contar aquela história daquela maneira. Ele faz um longo processo de seleção desse elenco para ter certeza de que essas pessoas estarão engajadas. E ele faz isso de maneira sutil e delicada. Afeto é o que define o modo de trabalhar do Marcelo. E o profundo senso de inquietação diante de nossa realidade social e política, dessa direta conexão com a realidade de nosso país, inclusive com o nosso tempo. O artista tem que ler o seu tempo, falar sobre seu tempo. E é nisso que o Marcelo investe com afeto e é por isso que consegue resultados tão bons.

Vendo um filme como esse é impossível não falar de política.

É impossível. E foi maluco porque a gente não esperava que no momento em que o filme foi lançado estivéssemos passando por tanta revelação, por tanta movimentação na política. O filme começou a ser gerado há sete anos através do convite de uma produtora espanhola. E é uma feliz coincidência que ele saia agora, nesse momento em que as coisas estão se refletindo de modo tão contundente.

Veja também:
Mostra apresenta a arte de Jerzy Skolimowski

Jack Nicholson, 80 anos

Qual o segredo de seu apelo?

Eu não sei. Quando era adolescente e no começo de meus 20 anos, meus amigos costumavam me chamar de “O Grande Sedutor” – mesmo que eles soubessem que eu não era definitivamente nada atraente – porque parece que eu possuo alguma coisa invisível, mas infalível.

E agora, como ator, você é pago por isso. A sedução é seu negócio.

(Risos) Certo. Mas não quero forçar minha vontade em cima de ninguém. Quero ter a vontade. Quero que seja do modo que é, e acredite em mim, do jeito que é (abre um enorme sorriso) é bom pra caramba.

Jack Nicholson, ator e diretor, em entrevista para Nancy Collins, na revista Rolling Stone (29 de março de 1984; a entrevista foi reproduzida no livro As Melhores Entrevistas da Revista Rolling Stone, editora Larousse, pg. 198). A entrevista ocorreu às vésperas da cerimônia do Oscar de 1984, na qual Nicholson recebeu o prêmio de melhor ator coadjuvante por Laços de Ternura, de James L. Brooks. Abaixo, o ator em um de seus trabalhos mais famosos, Um Estranho no Ninho, de Milos Forman.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Veja também:
Um Estranho no Ninho, de Milos Forman

Woody Allen entre a realidade e a ficção

Humphrey Bogart é um exemplo para Woody Allen. É o tipo durão que conquista as mulheres, capaz de arrancar lágrimas de Ingrid Bergman no tão celebrado encerramento de Casablanca. É o momento em que o cínico dobra-se: deixa ver seu lado romântico e sedutor.

No cinema, o público vê Allen. Seus olhos não despregam da tela, sua boca abre lentamente. Em Sonhos de um Sedutor, de Herbert Ross, ele é Allan, alguém que não consegue se despregar da ficção, fã incondicional de Bogart e de seus filmes.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

sonhos de um sedutor

É vítima dos sonhos, o que lhe distancia do aparente mundo verdadeiro – com amigos, amigas, jantares, encontros e tudo o que as “pessoas normais” costumam fazer.

Em outro filme estrelado por Allen nos anos 70, Testa-de-Ferro por Acaso, ele será vítima justamente da realidade, o oposto àquele universo povoado por um Bogart imaginário. Na obra de Martin Ritt, o ator é Howard Prince, caixa de um bar convidado a assinar alguns roteiros de televisão escritos por outros homens.

Trata-se do mundo do entretenimento dos anos 50, época da caça às bruxas levada à frente pelo senador Joseph McCarthy, contra simpatizantes do comunismo. Prince, por outro lado, nada tem de comunista: é um alienado, pequeno trabalhador, pequeno americano, apostador que não incomoda quase ninguém.

De olho no dinheiro que poderá ganhar ao emprestar seu nome, ele aceita o novo emprego e sua vida se transforma. Não poderá ser mais o mesmo ao assumir essa nova função: será tragado àquele universo de injustiças, e se tornará outro.

Ambos os filmes trazem meios divididos entre a realidade e a ficção. Sonhos de um Sedutor apresenta essa personagem confusa, engraçada, que projeta em Bogart – o imaginário ou o real, na tela – o que almeja ser.

testa de ferro por acaso1

Em seu apartamento de paredes forradas por velhos cartazes de filmes clássicos, ele conversa com o Bogart (Jerry Lacy) pelos corredores. A personagem dá-lhe dicas e, à frente, está ao seu lado quando o protagonista não sabe o que fazer com a mulher do melhor amigo (vivida por Diane Keaton), sua última conexão com o mundo real.

Allan, tão imerso na irrealidade dos filmes, vai pouco a pouco mergulhando na névoa que levará à sequência final. Em um aeroporto, o filme retorna a Casablanca, àquela despedida. A diferença é que Bergman virou Keaton e Bogart, Allen.

É uma homenagem ao cinema com traços de pastelão – como a primeira fase da carreira do cineasta, de filmes como Bananas e O Dorminhoco. Vale dizer ainda que o filme brinca com tipos da época, no início dos anos 70, como a menina que anuncia o suicídio, a ninfomaníaca nem tão viciada em sexo quanto parece e os usuários de droga.

O tempo de Testa-de-Ferro por Acaso é outro. A América é outra, mas, à revelia, Allen é sempre o mesmo. Ritt imprime um tom mais sério do que Ross. A primeira parte é mais engraçada. A segunda, em pequenos momentos, esbarra no drama.

testa de ferro por acaso2

Poucas vezes o Allen ator chegou tão perto desse gênero como no momento em que observa o velório de um amigo. Engraçado e famoso na televisão, o falecido é Hecky Brown (Zero Mostel), investigado por suposto flerte com o comunismo.

O roteiro e a direção são econômicos, com o clima dos tempos da Guerra Fria, quando qualquer um podia ser suspeito e quando, em meio à paranoia, até mesmo um alienado como Prince tornava-se herói ou vilão – a depender do ponto de vista. É o que há aqui de mais irônico: Prince será diferente justamente quando passa a perseguido.

Mesmo como comédia, retorna-se à época em que alguns artistas – como Ritt e seu roteirista, Walter Bernstein – caíram na lista negra, sob o olhar do Grande Irmão. As primeiras imagens apresentam o “jeito americano” de ser. Em seguida, traz um país de desacertos, de gente simples que deseja apenas ganhar uns trocados.

Como Sonhos de um Sedutor, não chega a ser um grande filme, mas tem momentos de grandeza. Ambos são feitos com liberdade, um sobre o cinema, o outro sobre a televisão. E, em qualquer época ou material, o Allen ator continua o mesmo.

(Play It Again, Sam, Herbert Ross, 1972)
(The Front, Martin Ritt, 1976)

Notas:
Sonhos de um Sedutor: ★★★☆☆
Testa-de-Ferro por Acaso: ★★★★☆

Foto 1: Sonhos de um Sedutor
Fotos 2 e 3: Testa-de-Ferro por Acaso

Veja também:
Trumbo – Lista Negra, de Jay Roach