Os 250 melhores filmes de todos os tempos

O cinema é uma das três linguagens universais, segundo o grande cineasta Frank Capra. As outras duas são a música e a matemática. O que torna essa arte tão importante e tão mágica, capaz de atravessar décadas, fundar escolas, movimentos, dar vez a monumentos reverenciados e nunca esquecidos? Sua linguagem, capaz de agregar outras artes, sem dúvida continua, ao longo de décadas, afirmando seu poder de contar histórias, de se manter no nível mais básico da relação possível com o espectador.

A lista abaixo vem sendo preparada há anos. E não chega ao fim. É mutável, aberta a transformações à medida que o blogueiro segue vendo – e revendo – filmes. Não há regra exata para fazer listas, muito menos uma forma fácil de explicar por que alguns filmes atraem mais do que outros: no fundo, os motivos que levam à compilação terminam sempre no gosto pessoal. Reduzir mais de um século de filmes a 250 títulos é enorme. Mesmo obras aparentemente imperfeitas podem ganhar destaque. E é difícil escapar aos medalhões.

“Ver precede as palavras”, diz o crítico de arte John Berger. É preciso ver filmes, hoje e sempre, sem pré-julgamentos ou vícios. A lista abaixo reserva o que há de melhor em matéria de cinema, e nem de longe pretende ser definitiva. Boa viagem a todos! O que vem a seguir é o cinema!

250) A Sombra de uma Dúvida, de Alfred Hitchcock

249) As Três Máscaras do Terror, de Mario Bava

248) A Hora do Lobo, de Ingmar Bergman

247) O Pão Nosso de Cada Dia, de F.W. Murnau

246) Desafio à Corrupção, de Robert Rossen

245) Antes da Revolução, de Bernardo Bertolucci

244) Johnny Guitar, de Nicholas Ray

243) Deus Sabe Quanto Amei, de Vincente Minnelli

242) O Discreto Charme da Burguesia, de Luis Buñuel

241) Vozes Distantes, de Terence Davies

vozes-distantes

240) E.T. – O Extraterrestre, de Steven Spielberg

239) Vidas Amargas, de Elia Kazan

238) O Silêncio do Lago, de George Sluizer

237) Anatomia de um Crime, de Otto Preminger

236) Um Condenado à Morte Escapou, de Robert Bresson

235) Um Lugar ao Sol, de George Stevens

234) Os Esquecidos, de Luis Buñuel

233) Amor de Perdição, de Manoel de Oliveira

232) Playtime – Tempo de Diversão, de Jacques Tati

231) Palavras ao Vento, de Douglas Sirk

palavras-ao-vento

230) Rififi, de Jules Dassin

229) Domingo Maldito, de John Schlesinger

domingo-maldito

228) O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme

227) O Sopro no Coração, de Louis Malle

aa aasopro no coração

226) Vida Cigana, de Emir Kusturica

225) Crisântemos Tardios, de Kenji Mizoguchi

224) Satyricon de Fellini, de Federico Fellini

satyricon

223) A Longa Viagem de Volta, de John Ford

a-longa-viagem-de-volta

222) Caminhos Perigosos, de Martin Scorsese

caminhos-perigosos

221) Close-Up, de Abbas Kiarostami

close up

220) Sob o Sol de Satã, de Maurice Pialat

sob o sol de satã

219) O Medo Devora a Alma, de Rainer Werner Fassbinder

o-medo-devora-a-alma

218) Paixão de Fortes, de John Ford

paixao-de-fortes

217) A Mãe e a Puta, de Jean Eustache

a-mae-e-a-puta

216) O Açougueiro, de Claude Chabrol

o-acougueiro

215) A Cruz dos Anos, de Leo McCarey

a-cruz-dos-anos

214) Nostalgia, de Andrei Tarkovski

nostalgia

213) A Cidade das Tristezas, de Hou Hsiao-hsien

a cidade das tristezas

212) A Morte Num Beijo, de Robert Aldrich

a-morte-num-beijo

211) O Rio Sagrado, de Jean Renoir

o-rio-sagrado

210) Tudo o que o Céu Permite, de Douglas Sirk

tudo o que o céu permite4

209) Os Eternos Desconhecidos, de Mario Monicelli

os-eternos-desconhecidos

208) Amargo Pesadelo, de John Boorman

amargo pesadelo

207) A Casa de Bambu, de Samuel Fuller

casa-de-bambu

206) Poesia, de Lee Chang-dong

poesia

205) Acossado, de Jean-Luc Godard

acossado

204) Meu Nome é… Tonho, de Ozualdo Ribeiro Candeias

203) Cabaret, de Bob Fosse

cabaret

202) Pulp Fiction – Tempo de Violência, de Quentin Tarantino

pulp fiction

201) Agonia e Glória, de Samuel Fuller

agonia-e-gloria

200) Um Dia no Campo, de Jean Renoir

um-dia-no-campo

199) A Mocidade Lincoln, de John Ford

a-juventude-de-lincoln

198) A Saga de Gösta Berling, de Mauritz Stiller

a-saga-de-gosta-berling

197) Solaris, de Andrei Tarkovski

solaris2

196) A Ceia dos Acusados, de W.S. Van Dyke

a ceia dos acusados

195) O Testamento do Dr. Mabuse, de Fritz Lang

o-testamento-do-dr-mabuse

194) Rua 42, de Lloyd Bacon

rua 42

193) A Colecionadora, de Eric Rohmer

a-colecionadora

192) Narciso Negro, de Michael Powell e Emeric Pressburger

narciso negro

191) Fuga do Passado, de Jacques Tourneur

fuga do passado

190) Núpcias de Escândalo, de George Cukor

núpcias de escândalo

189) Doutor Fantástico, de Stanley Kubrick

dr. fantástico

188) A Fraternidade é Vermelha, de Krzysztof Kieslowski

a-fraternidade-e-vermelha

187) Carta de uma Desconhecida, de Max Ophüls

carta-para-uma-desconhecida

186) Alma em Suplício, de Michael Curtiz

alma em suplício

185) Vinhas da Ira, de John Ford

as vinhas da ira

184) Fúria Sanguinária, de Raoul Walsh

furia-sanguinaria

183) As Oito Vítimas, de Robert Hamer

as-oito-vitimas

182) Um Homem com uma Câmera, de Dziga Vertov

o-homem-com-uma-camera

181) Ran, de Akira Kurosawa

ran

180) Amarcord, de Federico Fellini

amarcord

179) Curva do Destino, de Edgar G. Ulmer

curva-do-destino

178) O Vampiro, de Carl Theodor Dreyer

o-vampiro

177) Agora Seremos Felizes, de Vincente Minnelli

176) Interlúdio, de Alfred Hitchcock

interlúdio1

175) Jejum de Amor, de Howard Hawks

jejum-de-amor

174) O Desprezo, de Jean-Luc Godard

os-desprezo

173) Marcha Nupcial, de Erich von Stroheim

marcha-nupcial

172) O Império dos Sentidos, de Nagisa Oshima

o-imperio-dos-sentidos

171) Os Companheiros, de Mario Monicelli

os-companheiros

170) A Noite de São Lourenço, de Paolo Taviani e Vittorio Taviani

a noite de são lorenzo

169) Nana, de Jean Renoir

nana

168) Mistérios de Lisboa, de Raoul Ruiz

167) Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos

vidas-secas

166) Os Bons Companheiros, de Martin Scorsese

os bons companheiros

165) Terra, de Aleksandr Dovzhenko

terra

164) Cidade dos Sonhos, de David Lynch

cidade dos sonhos

163) O Gabinete do Dr. Caligari, de Robert Wiene

162) Terra de um Sonho Distante, de Elia Kazan

terra de um sonho distante

161) A Última Gargalhada, de F.W. Murnau

a-ultima-gargalhada

160) Orfeu, de Jean Cocteau

orfeu

159) A Caixa de Pandora, de Georg Wilhelm Pabst

a-caixa-de-pandora

158) Blade Runner – O Caçador de Androides, de Ridley Scott

blade-runner

157) As Coisas Simples da Vida, de Edward Yang

as-coisas-simples-da-vida

156) O Balão Vermelho, de Albert Lamorisse

o-balao-vermelho

155) O Prazer, de Max Ophüls

o-prazer

154) A Viúva Alegre, de Erich von Stroheim

a-viuva-alegre

153) E o Vento Levou, de Victor Fleming

e-o-vento-levou

152) Noites de Cabiria, de Federico Fellini

noites-de-cabiria

151) O Enforcamento, de Nagisa Oshima

150) Uma Mulher Sob Influência, de John Cassavetes

uma-mulher-sob-influencia

149) Pérfida, de William Wyler

perfida

148) Luzes da Cidade, de Charles Chaplin

luzes-da-cidade

147) Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho

cabra-marcado-para-morrer

146) Dias de Ira, de Carl Theodor Dreyer

dias-de-ira

145) Cada um Vive Como Quer, de Bob Rafelson

cada-um-vive-como-quer

144) As Harmonias de Werckmeister, de Béla Tarr

as-harmonias-de-werckmeister

143) O Exército das Sombras, de Jean-Pierre Melville

142) Cinzas no Paraíso, de Terrence Malick

cinzas-no-paraiso

141) A Força do Mal, de Abraham Polonsky

forca-do-mal

140) A Viagem dos Comediantes, de Theodoros Angelopoulos

a-viagem-dos-comediantes

139) Soberba, de Orson Welles

138) Noite e Neblina no Japão, de Nagisa Oshima

noite-e-neblina-no-japao3

137) O Amigo Americano, de Wim Wenders

o-amigo-americano

136) Um Dia Quente de Verão, de Edward Yang

um-dia-quente-de-verao

135) O Mágico de Oz, de Victor Fleming

mágico de oz

134) Napoleão, de Abel Gance

133) Era Uma Vez no Oeste, de Sergio Leone

era-uma-vez-no-oeste

132) Andrei Rublev, de Andrei Tarkovski

andrei-rublev

131) Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, de Woody Allen

noivo-neurotico-noiva-nervosa

130) Sorgo Vermelho, de Zhang Yimou

sorgo-vermelho

129) Bandidos em Orgosolo, de Vittorio De Seta

bandidos-de-orgosolo

128) Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick

laranja-mecanica

127) S. Bernardo, de Leon Hirszman

sao-bernardo

126) Diabo a Quatro, de Leo McCarey

diabo a quatro

125) Viver a Vida, de Jean-Luc Godard

viver-a-vida

124) A Bela Intrigante, de Jacques Rivette

a-bela-intrigante

123) Trono Manchado de Sangue, de Akira Kurosawa

trono-manchado-de-sangue

122) Noite Vazia, de Walter Hugo Khouri

noite-vazia1

121) Short Cuts – Cenas da Vida, de Robert Altman

short-cuts

120) Onde Começa o Inferno, de Howard Hawks

onde-comeca-o-inferno

119) Janela Indiscreta, de Alfred Hitchcock

janela-indiscreta

118) A Espada da Maldição, de Kihachi Okamoto

a-espada-da-maldicao

117) Viagem à Itália, de Roberto Rossellini

viagem-a-italia

116) A Roda da Fortuna, de Vincente Minnelli

a-roda-da-fortuna

115) Salário do Medo, de Henri-Georges Clouzot

o-salario-do-medo

114) Portal do Inferno, de Teinosuke Kinugasa

portal-do-inferno

113) Rede de Intrigas, de Sidney Lumet

112) Uma Rua Chamada Pecado, de Elia Kazan

uma-rua-chamada-pecado

111) Lola Montes, de Max Ophüls

lola-montes

110) A Marca da Maldade, de Orson Welles

a marca da maldade

109) Rastros de Ódio, de John Ford

rastros-de-odio

108) O Intendente Sansho, de Kenji Mizoguchi

o-intendente-sancho

107) O Tesouro de Sierra Madre, de John Huston

o-tesouro-de-sierra-madre

106) Amores de Apache, de Jacques Becker

amores-de-apache

105) O Sétimo Selo, de Ingmar Bergman

sétimo selo

104) Através das Oliveiras, de Abbas Kiarostami

atravès das oliveiras

103) Laura, de Otto Preminger

laura

102) Ervas Flutuantes, de Yasujiro Ozu

ervas-flutuantes

101) Vá e Veja, de Elem Klimov

va-e-veja

100) Crash – Estranhos Prazeres, de David Cronenberg

crash

99) Veludo Azul, de David Lynch

veludo azul

98) A Última Sessão de Cinema, de Peter Bogdanovich

a última sessão de cinema

97) Psicose, de Alfred Hitchcock

psicose

96) Neste Mundo e no Outro, de Michael Powell e Emeric Pressburger

neste-mundo-e-no-outro

95) Viver, de Akira Kurosawa

viver

94) Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola

apocalypse-noe

93) Mulheres da Noite, de Kenji Mizoguchi

mulheres-da-noite

92) O Pior dos Pecados, de John Boulting

o-pior-dos-pecados

91) Shoah, de Claude Lanzmann

shoah

90) Gritos e Sussurros, de Ingmar Bergman

gritos e sussurros

89) Inverno de Sangue em Veneza, de Nicolas Roeg

um-inverno-de-sangue-em-veneza

88) Pixote – A Lei do Mais Fraco, de Hector Babenco

pixote

87) Eu Sou Cuba, de Mikhail Kalatozov

eu-sou-cuba

86) A Mulher de Areia, de Hiroshi Teshigahara

mulher de areia

85) Quanto Mais Quente Melhor, de Billy Wilder

quanto mais quente melhor

84) Terra em Transe, de Glauber Rocha

terra em transe

83) De Punhos Cerrados, de Marco Bellocchio

de punhos cerrados2

82) Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade

macunaíma

81) A Carruagem Fantasma, de Victor Sjöström

80) O Bandido Giuliano, de Francesco Rosi

o-bandido-giuliano

79) Pinóquio, de Ben Sharpsteen e Hamilton Luske

pinoquio

78) Harakiri, de Masaki Kobayashi

haraquiri

77) O Boulevard do Crime – Primeira e Segunda Época, de Marcel Carné

76) A Palavra, de Carl Theodor Dreyer

a-palavra

75) No Silêncio da Noite, de Nicholas Ray

no-silencio-da-noite

74) Taxi Driver, de Martin Scorsese

taxi-driver

73) Contrastes Humanos, de Preston Sturges

contrastes-humanos

72) A Aventura, de Michelangelo Antonioni

a-aventura

71) Meu Ódio Será Sua Herança, de Sam Peckinpah

meu ódio será sua herança

70) A Conversação, de Francis Ford Coppola

a-conversacao2

69) Obsessão, de Luchino Visconti

obsessao

68) Touro Indomável, de Martin Scorsese

touro indomável

67) Os Incompreendidos, de François Truffaut

os-incompreendidos

66) Blow-Up – Depois Daquele Beijo, de Michelangelo Antonioni

blow-up

65) Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas, de Arthur Penn

bonnie e clyde

64) A Tortura do Medo, de Michael Powell

a tortura do medo

63) Tabu, de F.W. Murnau

tabu

62) O Espírito da Colmeia, de Victor Erice

o espírito da colmeia

61) Nashville, de Robert Altman

nashville

60) Ladrão de Alcova, de Ernst Lubitsch

ladrao-de-alcova

59) São Paulo Sociedade Anônima, de Luis Sérgio Person

sao-paulo-sociedade-anonima

58) A Malvada, de Joseph L. Mankiewicz

57) Rio Vermelho, de Howard Hawks

rio vermelho

56) Os Sete Samurais, de Akira Kurosawa

os-sete-samurais

55) Pacto de Sangue, de Billy Wilder

pacto de sangue

54) A Felicidade Não se Compra, de Frank Capra

a felicidade não se compra

53) O Samurai, de Jean-Pierre Melville

o-samurai

52) O Poderoso Chefão – Parte 2, de Francis Ford Coppola

o poderoso chefão 2

51) O Terceiro Homem, de Carol Reed

o-terceiro-homem

50) A Grande Testemunha, de Robert Bresson

a-grande-testemunha

49) À Beira do Abismo, de Howard Hawks

a-beira-do-abismo

48) Pai e Filha, de Yasujiro Ozu

pai-e-filha

47) Tempos Modernos, de Charles Chaplin

tempos-modernos

46) Desejos Proibidos, de Max Ophüls

desejos proibidos

45) Cantando na Chuva, de Gene Kelly e Stanley Donen

cantando-na-chuva

44) O Homem das Novidades, de Edward Sedgwick e Buster Keaton

o homem das novidades

43) O Anjo Exterminador, de Luis Buñuel

o-anjo-exterminador

42) No Tempo das Diligências, de John Ford

no tempo das diligências

41) Aguirre, A Cólera dos Deuses, de Werner Herzog

aguirre

40) O Decálogo, de Krzysztof Kieslowski

o-decalogo-5

39) Hiroshima, Meu Amor, de Alain Resnais

hiroshima-meu-amor

38) A Canção da Estrada, de Satyajit Ray

a-cancao-da-estrada

37) A Turba, de King Vidor

a-turba

36) Pickpocket, de Robert Bresson

pickpocket

35) O Conformista, de Bernardo Bertolucci

o-conformista

34) M, o Vampiro de Düsseldorf, de Fritz Lang

m-o-vampiro-de-dusseldorf

33) 2001: Uma Odisseia na Espaço, de Stanley Kubrick

2001

32) O Falcão Maltês, de John Huston

falcão maltês

31) O Mensageiro do Diabo, de Charles Laughton

o mensageiro do diabo

30) Sindicato de Ladrões, de Elia Kazan

sindicato de ladrões

29) A Doce Vida, de Federico Fellini

a doce vida

28) O Atalante, de Jean Vigo

atalante

27) Metrópolis, de Fritz Lang

metropolis

26) Lawrence da Arábia, de David Lean

lawrence-da-arabia

25) Contos da Lua Vaga, de Kenji Mizoguchi

contos-da-lua-vaga

24) Ladrões de Bicicleta, de Vittorio De Sica

ladroes-de-bicicleta

23) Chinatown, de Roman Polanski

22) Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha

deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol

21) A Grande Ilusão, de Jean Renoir

a grande ilusão

20) Cinzas e Diamantes, de Andrzej Wajda

cinzas-e-diamantes

19) Quando os Homens são Homens, de Robert Altman

quando-os-homens-sao-homens

18) Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder

crepusculo-dos-deuses

17) Ouro e Maldição, de Erich von Stroheim

ouro-e-maldicao

16) Limite, de Mário Peixoto

limite

15) Encouraçado Potemkin, de Sergei M. Eisenstein

o-encouracado-potemkin

14) A Paixão de Joana D’Arc, de Carl Theodor Dreyer

o martírio de joana

13) Rashomon, de Akira Kurosawa

rashomon

12) Quando Duas Mulheres Pecam, de Ingmar Bergman

persona

11) O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola

o poderoso chefão

10) A General, de Buster Keaton e Clyde Bruckman

A comédia de Buster Keaton é física. Baseia-se às vezes no risco, no vão de milímetros que se vê – ou não – entre o corpo e as estruturas. Entre tantos filmes marcantes, é com A General que o realizador chega ao máximo: a história de amor entre o homem e a máquina, entre o herói (Keaton, claro) e uma garota indefesa. A ação dá-se sobre os trilhos. O protagonista lança pedaços de madeira em outros pelo caminho, para assim continuar sua viagem e salvar a amada. Ninguém pode pará-lo. E ainda que o espectador saiba de sua iminente vitória, sobram motivos para se emocionar com os feitos técnicos de um cinema que não se faz mais.

a general

9) A Regra do Jogo, de Jean Renoir

Comédia realizada à beira da Segunda Guerra Mundial, passada em um castelo isolado, com uma festa para convidados, um aviador apaixonado, seu amigo falador (o próprio Renoir) e outras figuras curiosas que se juntam para desfrutar de tardes de caça, teatro regado a fantasias e adultérios – tudo entre os criados e a alta classe. Roteiro brilhante repleto de voltas, sem protagonistas e com poucas – talvez duas – personagens que se salvam da completa maldade. Um estudo do comportamento humano cheio de malícia e frivolidade. Após o extraordinário A Grande Ilusão, Renoir ainda conseguiu se superar.

a regra do jogo

8) Um Corpo que Cai, de Alfred Hitchcock

Há quem prefira Psicose ou A Sombra de uma Dúvida. Hitchcock fez 15 ou 20 filmes que podem ser chamados de grande, quatro ou cinco obras-primas. Em Um Corpo que Cai, retém-se à obsessão de um homem por uma mulher morta, depois pelo modelo vivo que lhe dá forma. Seu medo de altura permite ao mestre investir nos efeitos de câmera, no “esgarçamento” da imagem, na revelação da profundida. James Stewart exprime grandeza comum. A Kim Novak basta ficar em silêncio. A história de amor é sobre o próprio cinema: o homem que tenta modificar o universo e dar vez às suas fantasias.

um-corpo-que-cai

7) Contos de Tóquio, de Yasujiro Ozu

O mestre japonês fez diversos filmes considerados “semelhantes”. Em geral, obras que tratam de relações familiares, pais e filhos, tradições quebradas, gente cujos conflitos parecem nunca abalar demais a tela. Adaptado à forma de Ozu, o espectador certamente reconhecerá o autor, filme a filme, e a descoberta de Contos de Tóquio pode levar àquilo que fez de melhor, também ao seu trabalho mais famoso. É sobre a distância entre o casal de senhores e seus filhos da cidade grande. A visita dos mais velhos revela o abismo que separa essas pessoas. Depois, devido a uma morte, são os filhos que deverão visitar os pais.

contos-de-toquio

6) A Batalha de Argel, de Gillo Pontecorvo

O realismo, as imagens granuladas, o calor do momento e a transpiração de pessoas que viveram a situação são alguns dos ingredientes que ajudaram essa obra-prima do cinema político. Pontecorvo fez alguns filmes de sucesso, mas nada à altura. Consciente da dificuldade de resumir a batalha em marcha da qual trata, nos eventos que levam à independência da Argélia, o cineasta prefere não tomar lado, sem transformar os colonizadores em vilões cruéis ou os oprimidos em heróis acabados e bondosos. O homem sob tortura, nos momentos iniciais, dá a ideia do que vem pela frente.

a-batalha-de-argel

5) Casablanca, de Michael Curtiz

Acidentes acontecem. Casablanca, em certa medida, foi um perfeito acidente: a conjugação de diversos fatores que levaram a um filme impagável, obra de estúdio emocionante e engraçada, política e otimista. Seu protagonista, Rick (Humphrey Bogart), está ilhado no Marrocos, não tão distante dos problemas do mundo. A certa altura, todos vão ao seu restaurante, ponto de encontro certo de bandidos, inocentes e patriotas. É para lá que vai sua amada, por quem foi deixado em Paris. Ela, Ilsa (Ingrid Bergman), retorna com uma velha canção – “As Time Goes By” – e continua encantadora, irrecusável.

casablanca

4) Oito e Meio, de Federico Fellini

Não havia feito nem dez filmes. Ali, à beira do oitavo, com um meio pelo caminho, Fellini decidiu representar sua crise criativa: filmou, com seu toque reconhecível, a própria história. Fez sua obra maior, o caminhar de um certo Guido Anselmi (Marcello Mastroianni), que se refugia em um spa e nos próprios sonhos. Em seguida, é revisitado pelas lembranças, pela família, pela Igreja, pelas mulheres corpulentas que percorrem seu harém. É onde empunha um chicote para então colocar ordem no reino e controlar o motim de suas amantes. Como todo autor, Fellini parecia se repetir. Com tamanha beleza e poder, quem se importa?

oito-e-meio

3) Cidadão Kane, de Orson Welles

O jornalista persegue a palavra. Nesse caso, uma só. Com ela talvez possa entender o homem em questão, o protagonista de Cidadão Kane, magnata das comunicações. A palavra, claro, é Rosebud. Seu significado será dado apenas no encerramento – ou não. Significa ainda mais, algo que o homem perdeu e não encontrou. Algo que o cinema de Orson Welles – o menino prodígio condenado pela ousadia do primeiro filme, contra um magnata da imprensa americana – encarregou-se de imortalizar. Rosebud, no fundo, é a carne que ultrapassa o mito, o humanismo que sobrepõe as manchetes do jornal, as notícias em marcha.

cidadao-kane

2) Aurora, de F.W. Murnau

Segundo o crítico Sérgio Alpendre, nenhum estudante de cinema deveria tocar em um câmera antes de assistir a esse filme. O melhor trabalho de Murnau, aqui em Hollywood, com movimentos de câmera perfeitos e, à época, aparentemente leves e ousados. Ao centro, um homem decide matar a mulher para ficar com a amante. Seu arrependimento leva à jornada de reconquista amorosa, ainda na ausência do som, com a cena inesquecível da fusão de imagens enquanto o casal caminha entre os veículos, pela cidade grande. É quando o mundo para, quando o cinema dá uma de suas demonstrações de poder.

aurora

1) O Leopardo, de Luchino Visconti

Muitos cineastas, em condições possíveis, tentaram fazer filmes perfeitos. Visconti conseguiu. Baseado na obra de Giuseppe Tomasi di Lampedusa, com fotografia de Giuseppe Rotunno e música de Nino Rota, Visconti dirige como se pintasse quadros. Os planos mais belos do cinema, a maior parte inesquecível. Lancaster é o homem do passado, o príncipe que se guarda para a caminhada final; Cardinale está bela como nunca; Delon como o cínico necessário, representação dos novos tempos, pronto para abocanhar a bela. Um baile ocupa praticamente um terço do todo. Obra-prima, ainda que seja redundante dizer.

o-leopardo

******

Cineastas mais presentes na lista

  • Seis filmes: John Ford.
  • Cinco filmes: Akira Kurosawa, Alfred Hitchcock, Federico Fellini, Jean Renoir.
  • Quatro filmes: Carl Theodor Dreyer, Elia Kazan, Francis Ford Coppola, F.W. Murnau, Howard Hawks, Ingmar Bergman, Kenji Mizoguchi, Martin Scorsese, Max Ophüls.
  • Três filmes: Andrei Tarkovski, Billy Wilder, Erich von Stroheim, Fritz Lang, Jean-Luc Godard, Luis Buñuel, Michael Powell, Nagisa Oshima, Orson Welles, Robert Altman, Robert Bresson, Stanley Kubrick, Vincente Minnelli, Yasujiro Ozu.
  • Dois filmes: Abbas Kiarostami, Bernardo Bertolucci, Buster Keaton, Charles Chaplin, David Lynch, Douglas Sirk, Edward Yang, Emeric Pressburger, Glauber Rocha, Jean-Pierre Melville, John Huston, Krzysztof Kieslowski, Leo McCarey, Luchino Visconti, Mario Monicelli, Michael Curtiz, Michelangelo Antonioni, Nicholas Ray, Otto Preminger, Samuel Fuller, Victor Fleming.

Curiosidades

  • Em toda a lista, há 34 filmes realizados após os anos 80 e 15 realizados após os 90.
  • Em toda a lista, há cinco filmes realizados após os anos 2000 e dois após 2010.
  • Entre os 100 primeiros da lista, há seis filmes realizados após os anos 80 e um após os 90.
  • Não há nenhum filme realizado após os anos 2000 entre os 100 primeiros.
  • Não há nenhum filme realizado após os anos 70 entre os dez primeiros.

Veja também:
Os 100 melhores filmes dos anos 30
Os 100 melhores filmes dos anos 70
Os 100 melhores filmes dos anos 80
Os 100 melhores filmes dos anos 90

Sobre o blog e seu autor
Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Anúncios