Bastidores: Terra de Ninguém

Kit mata e isto faz dele um herói. A própria polícia que o prende, no final, sonha em adotar o seu comportamento. Em síntese, Malick sugere que Kit faz aquilo que os outros reprimem. Um personagem fascista? Por certo que sim, uma das frases de Kit é “levem em conta a opinião da minoria, mas façam tudo de acordo com a maioria”. A maioria silenciosa da América, bem entendido. Terra de Ninguém é uma análise profunda dos mitos desta América reprimida e puritana do meio Oeste. Malick descobre o comportamento patológico, filma a doença da organização social: as águas na superfície estão calmas, mas no fundo agita-se o lodaçal.

Luiz Carlos Merten, crítico de cinema, no jornal Folha da Manhã (7 de outubro de 1975; texto reproduzido no livro Um Sonho de Cinema; Editora da Unisc, pg. 164). Abaixo, o ator Martin Sheen, que interpreta Kit, e o diretor Terrence Malick.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

terra-de-ninguem

Veja também:
Sete bons filmes com Jessica Chastain

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s