Cinco filmes recentes que abordam identidade de gênero

Bons exemplos de cinema, os filmes abaixo também podem – e devem – ser discutidos em outras esferas. Retratam, sob o olhar de cineastas distintos, a questão de gênero e a diversidade sexual a partir de histórias humanas. As obras foram lançadas entre 2007 e 2016.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

XXY, de Lucía Puenzo

O delicado filme de Puenzo leva à história de um intersexual, uma hermafrodita, Alex (Inés Efron), que foi criada como menina pelos pais em região à beira-mar do Uruguai. Mais tarde, Alex decide parar de tomar hormônios e parece se identificar como homem, ou mesmo não apresenta definição. A obra aborda não apenas o drama da personagem, mas também da família, sem saber como lidar com a questão.

xxy

Tomboy, de Céline Sciamma

O cotidiano da menina Laure (Zoé Héran), que passa a se apresentar aos vizinhos como Michaël, é o centro do trabalho de Sciamma. A questão de gênero é aqui levada à infância e pré-adolescência, com brincadeiras e relações entre jovens em um bairro de classe média francês. A direção busca sempre o rosto da (ou do) protagonista e consegue, sem grande esforço, levar o espectador ao centro de suas tensões.

tomboy

Laurence Anyways, de Xavier Dolan

Quando o professor Laurence (Melvil Poupaud) começa a se vestir com roupas de mulher, seus alunos e outros professores não entendem. Ficam chocados. Além da questão, o filme aborda sua relação, aqui central, com a namorada (Suzanne Clément), cujo amor pelo protagonista faz com que continue ao seu lado, com o passar dos anos. O diretor Dolan também abordou a diversidade sexual em outros filmes.

laurence anyways

A Garota Dinamarquesa, de Tom Hooper

Com os contornos típicos do “drama de Oscar”, o trabalho de Hooper segue os passos de Einar (Eddie Redmayne) e como se transformou em Lili Elbe. O que poderia ser apenas uma provocação nas festas dos anos 20, com roupas femininas e a companhia da mulher (Alicia Vikander), torna-se questão de vida para Lili. O próximo passo é se tornar a primeira pessoa a se submeter à cirurgia de mudança de sexo.

a garota dinamarquesa1

Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert

O novo trabalho da cineasta começa com uma cena que explica tudo, ou quase: o protagonista (Naomi Nero) faz sexo com uma menina, no banheiro, usando roupas íntimas femininas. Esse grito de contestação à sociedade heteronormativa vem acompanhado de uma história sobre bebês furtados na maternidade. Por consequência, com a mudança de família, o menino encontrará a abertura para afirmar suas escolhas.

mãe só há uma

Veja também:
A Garota Dinamarquesa, de Tom Hooper
Dez filmes que questionam regras sociais e religiosas

2 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s