Gregory Peck, 100 anos

No recente Trumbo – Lista Negra, o famoso roteirista e sua família divertem-se enquanto assistem a uma sequência clássica de A Princesa e o Plebeu (abaixo). É o momento em que Joe Bradley (Gregory Peck) finge perder a mão ao colocá-la no boca de uma estátua, enquanto leva a bela princesa Ann (Audrey Hepburn) ao desespero.

A leveza e segurança de Peck tornam a cena extraordinária, com a elegância típica de cavalheiros de seu tempo. Peck faz parte do último time de verdadeiros cavalheiros do cinema, antes de explodir a geração rebelde, com Brando e James Dean.

a princesa e o plebeu

Em seu primeiro filme, Quando a Neve Voltar a Cair, de 1944, já era possível ver toda a segurança do astro, todos os traços que se veria em outros filmes. O segundo, As Chaves do Reino, rendeu-lhe a primeira indicação ao Oscar, o que lhe tornaria astro.

Veio uma sucessão de bons filmes: Quando Fala o Coração, Virtude Selvagem, Duelo ao Sol, A Luz é para Todos, Céu Amarelo e Almas em Chamas – todos nos anos 40. A década seguinte levou-lhe a produções variadas como A Princesa e o Plebeu.

Provou versatilidade ao encarar o duro capitão Ahab de Moby Dick, na famosa versão de John Huston, o que de certo parecia estranho aos espectadores – às espectadoras, sobretudo – que ainda recordavam o estreito e brincalhão jornalista Joe Bradley.

Ator versátil, capaz de ser o homem mau ou o amante confiável, e que ainda não tinha um Oscar. Alguns atores esperaram a vida toda e não ganharam, como Richard Burton (indicado sete vezes), outros se contentaram com o honorário, como Peter O’Toole.

o sol é para todos

O de Peck estava para chegar, e seria por sua personagem mais conhecida, Atticus Finch, o advogado honesto que defende um negro inocente contra a sociedade branca e racista. Em um dos momentos marcantes, um homem cospe em seu rosto.

A direção calculada de Robert Mulligan, com personagens condenadas e absolvidas antecipadamente, não retira a beleza de O Sol é para Todos (acima). Muito se deve à atuação de Peck, ajudada pela distância tomada pelo cineasta: a história é contada pelo ponto de vista das crianças, o que ajuda a aceitar esse suposto homem correto e incorruptível.

Finch tornar-se-ia sinônimo de heroísmo, de heróis sem capa e espada. Décadas mais tarde, ocuparia o primeiro lugar entre os maiores heróis do cinema americano na lista do Instituto Americano de Filmes – à frente de Indiana Jones e James Bond.

Filmes como O Sol é para Todos fixaram a imagem de Peck como o homem acima de qualquer suspeita, feito de palavras, de alma aberta contra os intolerantes.

Veja também:
Ingrid Bergman, 100 anos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s