Cinco filmes recentes sobre as consequências do nazismo

O nazismo foi explorado inúmeras vezes no cinema, sob múltiplos ângulos e gêneros. Não faltam filmes para esmiuçar as destruições causadas pelo regime de Adolf Hitler, das propagandas evidentes de Leni Riefenstahl à vida íntima do carrasco, como em Moloch e A Queda! As Últimas Horas de Hitler. A lista abaixo prefere as consequências do mal, o rastro deixado pelos criminosos e os traumas causados pelo regime, após a Segunda Guerra Mundial.

Ida, de Pawel Pawlikowski

Esse drama extraordinário centra-se nas descobertas da noviça que dá nome ao filme. O nazismo serve de fundo. É um passado incômodo, uma tragédia familiar. Em suas andanças, a moça descobre a própria linhagem: então chamada de Anna, Ida (Agata Trzebuchowska) é descendente de judeus. E há mais a explorar: o filme trata de suas descobertas familiares, sexuais, seu choque com o mundo dos homens, fora dos muros do convento, e ao lado da tia libertária.

ida

O Médico Alemão, de Lucía Puenzo

Filha do consagrado diretor Luis Puenzo, de A História Oficial, Lucía compõe um filme intrigante sobre a passagem de Josef Mengele (Àlex Brendemühl) pela Argentina. A diretora explora o olhar de uma garota, de mudança com a família, que acaba se aproximando do médico procurado. Ao invés de recorrer ao estereótipo do vilão nazista, a cineasta prefere um retrato até humano desse criminoso. Interessante observar a forte presença alemã na Argentina dos anos 60.

o médico alemão

Labirinto de Mentiras, de Giulio Ricciarelli

O diretor italiano Ricciarelli está à frente da produção alemã, sobre um jovem procurador (Alexander Fehling) que tenta colocar alguns nazistas atrás das grades. O caso desenrola-se no fim dos anos 50, momento em que os crimes nos campos de extermínio ainda estavam frescos na memória e os próprios alemães evitavam o assunto. Da geração seguinte, o herói sai em busca dos criminosos e descobre a dificuldade de se encarar a própria história.

Phoenix, de Christian Petzold

Passa-se logo após a derrota alemã, com Berlim aos pedaços. A protagonista Nelly Lenz (Nina Hoss) sobreviveu aos campos de concentração e retorna em busca do marido (Ronald Zehrfeld), responsável por seu cárcere. Ao amor ao algoz e à possível mudança para Israel, ainda em formação, soma-se a transformação da heroína, submetida a uma cirurgia na face. O trabalho de Petzold carrega contornos do cinema noir, além da bela interpretação de Hoss.

phoenix

A Dama Dourada, de Simon Curtis

Drama quadrado, ainda que com um ponto de partida original: é sobre Maria Altmann (Helen Mirren), refugiada judia que luta para reaver um valioso quadro de sua família, A Dama Dourada, de Gustav Klimt. A valiosa obra de arte encontra-se na Áustria, depois de roubada pelos nazistas durante o apogeu de Hitler. O caso vai parar nos tribunais. Nessa cruzada, Altmann conta com a ajuda do advogado certinho vivido por Ryan Reynolds, escolha ruim para o papel.

dama dourada

Veja também:
Oito grandes filmes que terminam com portas fechando

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s