Os filmes de Jacques Audiard

Muita gente só teve contato com o cinema de Jacques Audiard após O Profeta, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro (na ocasião, perdeu para O Segredo dos Seus Olhos). O cineasta gosta de histórias sobre gente calejada, inclinada à violência, entre crime e redenção. Tem críticos que veem uma ligação com a forma americana de cinema, menos com a francesa. É o caso do cineasta e crítico Eduardo Escorel, em uma análise à revista Piauí (leia aqui). Abaixo, um pouco da carreira de Audiard.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

Sobre Meus Lábios (2001)

Moça aparentemente ingênua interpretada por Emmanuelle Devos envolve-se com um rapaz recém-saído da prisão, vivido por Vincent Cassel. A tensão entre ambos aumenta quando ele resolve roubar outro criminoso e à medida que ela usa os trabalhos do companheiro para fazer serviços escusos em seu escritório. A obra é ágil e tem um casal que convence em cena, além do sempre ótimo Olivier Gourmet.

sobre meus lábios

De Tanto Bater Meu Coração Parou (2005)

Diferente de outros filmes de Audiard, a personagem central, aqui, não é pobre e excluída. Seu protagonista é um tipo atrevido, desbocado, interpretado na medida por Romain Duris. Seus crimes estão relacionados ao mercado imobiliário: expulsa pessoas de imóveis e sempre anda na companhia de amigos, sempre pronto para um próximo negócio. Ao mesmo tempo, tenta voltar a tocar piano e se sente frustrado.

de tanto bater meu coração parou

O Profeta (2009)

O melhor filme de Audiard até o momento, sobre um bandido pequeno que ganha destaque na prisão e se torna um líder poderoso. A cadeia, para o diretor, é um microcosmo da própria França – como seria, depois, o conjunto habitacional em que vivem os imigrantes de Dheepan: O Refúgio. Atrás das grades, Malik (Tahar Rahim) terá de aprender a matar e mostrar resistência, terá de compreender o jogo do poder.

o profeta

Ferrugem e Osso (2012)

O diretor retoma o tema de Sobre Meus Lábios. Ou seja, o encontro de personagens de universos aparentemente distintos: ela, a treinadora de baleias que sofreu um acidente e perdeu as pernas; ele, um boxeador de lutas clandestinas. Ambos se encontram por acaso. Ele (Matthias Schoenaerts) chama a atenção ao não ter pena dela (Marion Cotillard), que se sente atraída pelo mundo bruto das brigas e passa a agenciá-lo.

ferrugem e osso

Dheepan: O Refúgio (2015)

Rendeu uma polêmica Palma de Ouro para Audiard. Em cena, três imigrantes tentam sobreviver na França após saíram de um Sri Lanka em guerra. No país europeu não será muito diferente: Dheepan (Jesuthasan Antonythasan) e sua falsa família (eles fingem ter parentesco para conseguir refúgio) assistem ao poder dos novos vizinhos, traficantes armados que atuam à luz dia. Certo dia, cansado, o homem decide estabelecer seu território e desafio os outros.

dheepan1

Veja também:
Os cinco melhores filmes de Bruno Dumont

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s