Céline e Julie Vão de Barco, de Jacques Rivette

O teatro permite o absurdo nem sempre visto no cinema: seus atores improvisam e brincam, ficam entre a realidade e a imaginação, não raro flertam com o público. Jacques Rivette explora partes do teatro e do cinema em Céline e Julie Vão de Barco.

Há um pouco dos dois, sem deixar saber, às vezes, o limite entre as artes. Rivette prefere a mistura, a partir da história estranha sobre duas mulheres – e cujo fio condutor dá-se quando uma delas resolve seguir a outra. Talvez se conheçam, talvez não.

celine e julie vão de barco

Elas, Céline (Juliet Berto) e Julie (Dominique Labourier), passam a dividir o mesmo apartamento. Passam também a dividir delírios – ou seriam histórias do passado? A relação tem início quando a bibliotecária Julie resolve seguir os passos da outra, a mágica Céline, que deixa seus pertences cair pelo caminho – os óculos, o lenço.

Deixa o rastro para a outra, como se a convidasse a seu universo, ou como se permitisse assim invadir o universo da companheira. A primeira impressão é que Céline é de outro mundo, um sonho, um delírio, enquanto Julie pertence ao mundo real e palpável.

Não demora e Rivette embaralha essa noção – com suas saídas ao teatro e ao cinema, com seus atores que parecem jogar conversa fora, com seu palco de cabaré e sua montagem gritante, na qual o cinema impõe-se com outra história.

Certo dia, Céline surge com o joelho machucado. O problema aparece após ela entrar em uma grande casa, à qual mais tarde Julie será tragada, tomada pela curiosidade. E aos poucos o espectador entende que essas mulheres podem ser a mesma, ou talvez compartilhem uma experiência única com o público: uma história.

celine e julie vão de barco2

A história é a segunda parte do filme, não completamente dividida e fácil de agarrar. Essa nova camada tem a ver mais com o cinema, talvez, porque é feita, primeiro, de partes, com cortes que aos poucos tomam a tela, como o sonho que o sonhador precisa se esforçar para lembrar (e reconstruir), passada a noite em que o sentiu.

A cada ida à grande casa, Céline e Julie deixam o local sem lembrar o que viveram. Nas costas, carregam a marca vermelha de uma mão. E com elas retorna, de suas bocas, pequenas balas que, quando consumidas, permitem que voltem ao mesmo sonho.

Nele, a grande casa é ocupada por duas mulheres, um homem e uma criança. Céline e Julie, ao entrarem nessa ilusão, sempre ocupam o papel da enfermeira e babá da casa. A história inclui duas mulheres que lutam pelo mesmo homem e a morte da criança.

O que realmente ocorre na casa, nessa nova história, vem em pequenas partes, aos pedaços, aos poucos ganhando a vez no universo das personagens centrais: são instantes perdidos na memória que tomam a tela, à força.

celine e julie vão de barco3

É o ponto em que Rivette deixa o mundo do teatro – o palco, as improvisações em ritmo de brincadeira – ser ocupado, ou tomado, pelo cinema – com seus cortes abruptos, com a segunda trama, a da grande casa, que remete a um melodrama de disputa familiar.

Dois filmes em um a partir de um texto original, adaptado de Henry James, e com contribuições de vários outros, incluindo as atrizes em cena.

Céline e Julie Vão de Barco é cinema raro, original, sem deixar saber o que quer ser ou em que ponto deve chegar, surrealista, para fazer ver a forma e a interpretação, para fazer esquecer a história propriamente dita, ao fundo e apequenada.

É pelas misturas que Rivette questiona a linguagem cinematográfica e, ao contrário de tantos outros filmes ditos convencionais, permite assim ver a diferença entre narrativa e história. No cinema, é a primeira que move o interesse do espectador.

Nota: ★★★★☆

Veja também:
13 grandes filmes sobre o teatro

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s