Bastidores: A Liberdade é Azul

O que é forte em A Liberdade é Azul: uma mulher, após a morte do marido e da filha, frequenta regularmente uma piscina. Cada vez que mergulha, deixa a sensação de que pode não voltar nunca mais. Também é forte, no filme do polonês Kieslowski, o modo de representar Paris, uma cidade a cujo encanto os cineastas franceses costumam resistir. O que é fraco: a história da composição de uma sinfonia dedicada à Europa, que atravessa quase todo o filme. A música (a arte) entra um pouco como substituta da dor. Como se a arte resgatasse as vidas perdidas, mas também evocasse tudo o que a Europa foi (em termos de destruição) antes de encontrar a harmonia de um concerto. Pode-se louvar a boa intenção e registrar sua ineficácia. Ela serve, basicamente, para garantir o estatuto “artístico” da empreitada.

Inácio Araújo, crítico de cinema, na Folha de S. Paulo (junho de 2009). Na foto, o diretor polonês Krzysztof Kieslowski, que, após A Liberdade é Azul, dirigiria A Igualdade é Branca e A Fraternidade é Vermelha, compondo sua Trilogia das Cores.

a liberdade é azul

Veja também:
15 filmes para refletir sobre a morte (e sobre a vida)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s