Bastidores: Alien, o 8º Passageiro

Criado pelo artista suíço H.R. Giger, Alien é não apenas uma grande obra do ponto de vista do desenho virtuosista de seu criador, nem apenas do design complexo que mistura corpo e máquina, mas uma verdadeira teoria explicativa da condição humana e da cultura no estágio em que a experimentamos hoje. Alien é uma das mais poderosas imagens da nossa era tecnológica e pós-humana, que se coloca como amplo questionamento sobre nosso corpo humano em seu devir-máquina. Alien é uma metáfora da cultura tanto quanto do cinema, assim como do lugar daquilo que chamávamos há pouco tempo de subjetividade. A capacidade de ainda nos impressionarmos tanto com essa imagem não é sinal apenas da competência do artista e do cineasta, mas também de que ainda podemos ter esperança na condição humana.

Marcia Tiburi, em sua coluna na revista Cult (edição 141, de novembro de 2009; lei texto completo aqui), na ocasião do aniversário de 30 anos da obra de Ridley Scott.

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

alien3

alien1

alien2

Veja também:
Bastidores: Ridley Scott em dois tempos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s