Bastidores: A Conversação

Projeto acalentado desde 1966, não por coincidência o mesmo ano de Blow-Up, Coppola realizou A Conversação apenas em 1973, com o dinheiro de O Poderoso Chefão, e com ele ganhou Cannes. Hollywood não suportaria esse drama sobre um agente da sociedade do controle que se converte num ser ilhado pela solidão e assediado pela culpa. De fato, a desconfiança progressiva sobre a idoneidade ética de seu trabalho ronda o técnico, e aos poucos, com índices e ritmo de thriller hitchcockiano, o filme se converte numa terrível atualização da parábola do aprendiz de feiticeiro que perde o controle do processo.

Agnaldo Farias, professor, crítico e curador. O trecho foi extraído do livro Ilha Deserta – Filmes (Publifolha), no qual Farias e outros especialistas apontam quais os dez filmes levariam para uma ilha deserta. Em sua lista, a obra de Coppola ocupa a segunda posição, perdendo apenas para Quanto Mais Quente Melhor, de Billy Wilder.

conversação2

conversação1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s