Cinco filmes sobre imigração no mundo atual

Quase sempre falsa, a promessa de oportunidades tem levado inúmeras pessoas a outros continentes e países, como à Europa pelo mar ou mesmo aos Estados Unidos por mar ou terra, por Cuba e pelo México. Algumas aventuras terminam em tragédia, como se tem visto recentemente, em relação aos refugiados na Itália e na Grécia.

O cinema tem apresentado tal agonia em filmes realizados nos últimos anos, de diferentes realizadores e com algo em comum: a frieza à qual os imigrantes são lançados. Nem sempre podem contar com ajuda. Os filmes abaixo reproduzem essa realidade de formas distintas.

A Culpa é de Voltaire, de Abdellatif Kechiche

Antes do sucesso de Azul é a Cor Mais Quente, Kechiche realizou esse drama forte sobre um tunisiano perseguido no metrô, enquanto vende flores, e depois apaixonado e abandonado por uma mulher. Já se pode ver a forma crua como o diretor trata suas personagens, ou apenas como prefere, em alguns casos, a distância.

a culpa de voltaire1

O Visitante, de Thomas McCarthy

Professor com mais de 60 anos tem sua vida transformada ao se deparar com um casal de imigrantes em Nova York. A certa altura, ele resolve ajudá-los e se envolve emocionalmente com a mãe do rapaz. O elenco dá show e tem Richard Jenkins como o protagonista e Hiam Abbass como a mãe estrangeira. Jenkins foi indicado ao Oscar.

visitante

Biutiful, de Alejandro González Iñárritu

Javier Bardem também conseguiu uma indicação ao Oscar na pele de Uxbal. Ou na pele do que sobrou desse homem amargo, à beira da morte, que pode ter o estranho poder de conversar com os mortos, e que tem de lidar com diferentes situações, entre imigrantes estrangeiros que traz à Espanha e o cuidado aos filhos pequenos.

biutiful

O Porto, de Aki Kaurismäki

O tratamento de Kaurismäki nunca chega a ser pesado. Tem a ver com seu cinema. O cineasta deixa algo afetuoso, e suas personagens sempre explicam muito com o olhar de desilusão. Para ele, interessam os excluídos sociais, como já havia mostrado em grandes filmes como A Garota da Fábrica de Caixas de Fósforo e Ariel.

o porto

Samba, de Olivier Nakache e Eric Toledano

Os mesmos realizadores do sucesso Intocáveis, de 2011, voltam-se agora à situação do imigrante sofrido e bondoso (Omar Sy) que recebe a ajuda de uma mulher descontrolada e em busca de companhia (Charlotte Gainsbourg). Não chega a empolgar, mas tem bons momentos nessa busca de excluídos por seu lugar ao sol.

samba1

Anúncios

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s