Kafkiano

Kafkiano é uma palavra que veio a significar o desamparo do indivíduo em face de um aparato estatal incompetente ou maligno. O filme de Haneke traz à tona a dimensão da dor humana: a dor de não saber, não saber o que está acontecendo, sem saber o que você deveria estar fazendo, ou se alguma coisa é culpa sua. Os avanços do século 20 e mais além – o racionalismo, o progresso, a ciência – deveriam fazer as coisas mais claras e nos dar a resposta no final. Mas e se não o fizerem? E se eles não podem erradicar a maldade humana e se tudo que eles fazem é intensificar a nossa agonia em nossa ignorância e irrelevância? Estas são ideias que estão sendo mostradas nos filmes de Haneke, que provavelmente não pode ser apreciado sem entender essa relação do diretor com O Castelo. De qualquer forma, ele me mandou de volta para a obra de Kafka.

Peter Bradshaw, sobre o filme O Castelo, de Michael Haneke, a partir da obra de Franz Kafka, no jornal The Guardian (2009).

o castelo1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s