Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), de Alejandro González Iñárritu

O ator ao centro de Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) precisa provar algo a si mesmo. Não será fácil. Ele precisa escapar daquele emaranhado de gente, o labirinto dos bastidores do teatro.

Esse mesmo ator tem um problema, ou vários, e convive com todos, até jogá-los pouco a pouco na tela: ele não é o homem no controle, como parece dizer a imagem inicial, na qual, de costas, ele levita de olho na janela. Pronto para voar?

Curta o Palavras de Cinema no Facebook

birdman 3

Antes, esse ator precisa passar por alguns obstáculos: ser mais do que os outros imaginavam, ou do que ele acreditava. O filme Alejandro González Iñárritu é sobre Riggan Thomson. Algumas pessoas que passam por ele – entre desprezo e gestos de amor – repetirão seu nome completo. É necessário falar tudo: Riggan Thomson.

Antes, quando era um astro de Hollywood, o “ator do momento”, cabeça de um antigo filme de super-herói, Riggan estava no alto. As coisas mudaram, o mundo é outro. E agora ele precisa – talvez para escapar desse labirinto, para voar – provar seu talento. Leva aos palcos da Broadway um texto de Raymond Carver.

Para ele, talvez essa seja a maneira de se exorcizar, de se livrar do demônio do super-herói Birdman: buscar uma saída contra a voz grossa que o ataca, que invade seu camarim e sua mente, que o faz crer no impossível.

Com o diretor de fotografia Emmanuel Lubezki, Iñárritu compõe um filme incomum, obra de mistura, às vezes mística na maneira como mostra o simples. Leva quase sempre à miséria do protagonista, às suas fraquezas, às maneiras de destruir o velho super-herói e demonstrar força, ou para se matar no palco e chegar à virtude.

A arte, como aponta o título, pode converter ignorância em virtude. Riggan tem seus motivos para chegar ao extremo, à ignorância, e talvez fazer dela o material ideal à arte, ao gesto final, no palco, ao público.

Fica a sensação de que todo o filme é feito a partir de um único plano-sequência, com exceção de alguns cortes no início e no fim. Nesses momentos, é como se o universo estivesse gerando Riggan, ou demonstrando seus delírios de grandeza, sua iluminação.

O ator troca insultos com a filha (Emma Stone), viciada em drogas, que talvez esteja se reabilitando; é intimidado pela amante (Andrea Riseborough), supostamente grávida; tem de lidar com um ator difícil (Edward Norton) e que pode trazer bons números à peça, além da atriz novata (Naomi Watts); trava discussões e sempre acaba cedendo aos desejos do produtor (Zach Galifianakis); e, de quebra, reencontra a ex-mulher (Amy Ryan). Todas essas personagens ajudam a entender o labirinto do herói.

birdman 1

Nele, perde-se para se encontrar, perde-se para descobrir a saída, para entender o mundo real: o ambiente em que é possível se tornar um sucesso nas redes sociais quando se adere a um gesto inesperado, como correr de cueca por Nova York.

É dessa forma, no universo com o qual Riggan não está acostumado, que o mesmo confronta a filha. A certa altura, ela terá de lembrá-lo de que tudo talvez não passe de uma enganação, de capricho, e que ele não é mais que uma personagem.

O herói está preso em seu próprio mundo, enquanto o filme de Iñárritu não deixa de fazer uma crítica aos demônios do grande cinema de franquias, também aos vícios do homem do teatro, suas loucuras e refúgios. Riggan tem de confrontar esses demônios enquanto vai da paixão à graça em segundos, sempre entre extremos.

Difícil definir a obra de Iñárritu, entre sombras e o desejo de chegar ao alto, à janela, à sacada – e talvez sair voando, contra a asfixia gerada pela fraqueza, sempre camuflada pela representação, pelo palco.

(Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance), Alejandro González Iñárritu, 2014)

Nota: ★★★★☆

Veja também:
Spotlight – Segredos Revelados, de Tom McCarthy

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s