Reality – A Grande Ilusão, de Matteo Garrone

Do microcosmo ao microcosmo. Em Reality – A Grande Ilusão é assim: o homem é pequeno, pequeno demais, e não sabe. Acredita ser grande, o centro do mundo, rodeado por câmeras e nascido para a fama. A televisão sustenta essa ilusão.

Por isso, o filme começa nos céus, vai ao solo e chega a uma festa de casamento: um mundo à parte, diferente, no qual há uma imagem do passado, uma carruagem com cavalos brancos, na forma como o noivo e a noiva são cercados pela beleza. Há, claro, um pouco de falsidade: espetáculo armado para um dia feliz.

reality1

Depois, ao fim, retorna ao céu e, mais uma vez, do alto, o homem torna-se um microcosmo, menos que um ponto de luz. Perde-se.

Não poderia ser mais irônica a opção do diretor Matteo Garrone, engraçado à mesma medida que cruel. Ao longo de Reality, ele não deseja aliviar as coisas para o público, tampouco para sua personagem central, o peixeiro Luciano (Aniello Arena).

No império do efêmero, Luciano é a vítima perfeita: um homem simples, de família simples, de roupas coloridas, em um bairro antigo de Nápoles. Corre através dele um universo diferente daquela bela ilusão e felicidade intermináveis da televisão, vendidas no famoso reality show Big Brother.

O nome, como muita gente já sabe, faz referência ao livro 1984, de Orwell, no qual o homem, no futuro, é assistido e tem seus passos vigiados por uma ditadura.

reality2

Na obra de Garrone, o homem nega ser um microcosmo e segue a lei religiosa até as últimas consequências: aos olhos de Deus, ele é único, um filho que merece atenção, ser visto e, portanto, não pode ser esnobado. Acredita ter nascido para o espetáculo.

Luciano é uma pequena parte. Eleito o centro por Garrone, ele quer estar na televisão. A busca tem início em um teste no qual ele encontra – pela segunda vez – um ex-participante do programa de televisão chamado Enzo (Raffaele Ferrante), dono de frases manjadas e naturalmente repulsivo.

Não bastasse o teste, Luciano é ainda chamado a Roma, para outro, o que faz com que ele se sinta mais importante, perto da fama e das câmeras.

Os dias seguintes são piores: cada pessoa que aparece em sua banca de peixes passa a ser um potencial espião mandado pelo programa de tevê, para que ele seja investigado. Reality leva o público aos olhos de Luciano, pouco a pouco em um processo de loucura no qual ele é sempre assistido e perseguido.

reality3

De um lado há o consumo excessivo nos robôs vendidos por Luciano e sua mulher, Maria (Loredana Simioli). De outro, a religião, espécie de Big Brother de outros tempos, com um Deus que tudo vê, que pune e altera o curso do universo.

De tão presente, a religião chega a se misturar ao olhar de Luciano, embebedado pela ideia do sucesso e dinheiro. Ele conversa com duas senhoras religiosas e, de repente, todos falam a mesma língua, alienados.

O desejo pelo sucesso liga Reality a Belíssima, grande filme de Luchino Visconti sobre uma mãe que faz de tudo para que a filha torne-se atriz de cinema. Os bastidores do espetáculo, contudo, são apresentados como um palco de gente desumana.

Em Reality, os bastidores sequer são apresentados. Luciano está sempre à margem, do lado de fora, e descobre que a única maneira de fazer parte é pela invasão. Ele recorre a qualquer coisa pelo simples prazer em descortinar aquele espetáculo: ver, de perto, o que ocorre próximo aos escolhidos e mandados ao interior do Big Brother.

Ele chega a ver, através de vidros, aquela suposta vida feliz. Em diversos planos-sequência, Garrone retorna a câmera aos olhos de encanto de Luciano, nunca cansado de ver, sempre disposto a ver mais. Ele consome pelos olhos e seu desejo leva-o, devagar, àquele meio onde gravitam beleza e vazio. Não poderia terminar em outro local senão na casa, mas como intruso, nunca como um convidado.

O drama do protagonista é ser um devoto àquele novo Deus: o “grande irmão” implacável que pune e destrói. Mais ainda: termina às gargalhadas, um “escolhido” em meio às luzes perdidas em gigante escuridão, no meio do nada, em lugar nenhum.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s